Os Altos Salários De Quem Trabalha Na Construção Civil Nos Estados Unidos

Enquanto milhares de estudantes entram em dívidas tentando pagar a faculdade, falta de mão de obra especializada na construção civil

 

Adaptado do Texto original – NPR

Pelo menos uma coisa os Estados Unidos e o Brasil têm em comum, a mentalidade de que somente frequentando uma faculdade cara é possível melhorar a situação financeira da família e ter um futuro melhor. No entanto, diferente do Brasil, nos Estados Unidos a área de construção civil paga bem, se você comparar dólar com real. E a melhor parte é que você não precisa gastar horrores com uma faculdade.

Lembre-se que nos Estados Unidos até mesmo as faculdades públicas são pagas. Os americanos têm acesso a empréstimo do governo e diversas bolsas, mas a procura é sempre maior que o dinheiro disponível e há a um limite para cada estudante.

 

Edital para o Contest 2019 da Ong USAHelp4U.

Edital em Vídeo

 

 

É bem comum encontrar americano com dívidas de $100 mil, $200 mil dólares depois de finalizar a graduação, pós-graduação e doutorado. É a temida Student Loan (Empréstimo Estudantil).

No entanto, é possível conseguir bons salários sem frequentar quatro anos de bacharelado, outros três de mestrado e outros 4 ou 5 anos de doutorado.

Recentemente, a National Public Radio (NPR) publicou uma reportagem sobre o assunto. Na cidade de Seattle (na costa oeste dos Estados Unidos) há uma grande demanda de profissionais na área de edificação metálica (um técnico responsável pela educação metálica em um edifício). A reportagem conta a história de Morgan, um rapaz de 20 anos, que desistiu de frequentar a faculdade para fazer um curso técnico na área de construção civil.

Morgan confirmou que ganha $28.36 dólares por hora (R$96,4 reais), o que chegaria a pouco mais de $50 mil dólares por ano (ou seja $170 mil reais por ano).

Os bons salários nesta área em algumas regiões dos Estados Unidos são reflexos da falta de mão de obra no ‘’serviço pesado’’.  Um contraste com o que ocorre nas vagas que exigem curso superior. O número de estudantes a procura por cursos de graduação aumenta todo ano, enquanto o preço da hora trabalhada diminui. O efeito reverso do investimento – excesso de mão de obra qualificada.

Ainda na reportagem da NPR, uma pesquisa da Associação de Mestres de Obras mostrou que 70% das companhias na área de construção civil nos Estados Unidos tem problemas para preencher as vagas. No estado de Washington, por exemplo, o problema é grave, cerca de 80% das empresas estão em apuros. Algumas chegam a contatar as escolas técnicas a procura de alunos que queiram trabalhar.

Em Washington há uma grande demanda para profissionais nas áreas de carpintaria, eletricista, encanador, torneiro mecânico entre outras. O salário médio anual chega a $54 mil dólares (cerca de R$180 mil).

Na Flórida, os números não são diferentes. A área de construção civil no Sunshine State representa 49.1% dos empregos disponíveis.

A área de construção civil, saúde pública e saúde pessoal são as áreas que mais precisam de trabalhadores nos EUA. A expectativa é que a demanda aumente ainda mais até 2022, desde que a economia continue crescendo no mesmo ritmo. De acordo com o Departamento de Educação dos Estados Unidos a expectativa vai ter 68% mais vagas em cinco anos do que o número de pessoas treinadas para trabalhar.   

Vale lembrar que a maioria dos condados americanos possuem pelo menos um centro de cursos técnicos. Por ser uma instituição pública, essas escolas técnicas cobram valores menores para quem é morador no condado. Aqueles alunos internacionais pagam mais. Entretanto, um curso técnico custa menos da metade de um curso de quatro anos em uma instituição também pública.

 

Como Expandir Seus Negócios Para Os Estados Unidos

Maior mercado consumidor do mundo é voltado para compra e vendas, mas depende do produto

 

Todos os dias empresários brasileiros procuram agências de consultoria, o amigo mais próximo que mora nos Estados Unidos e ou até a comunidade brazuca no Facebook a procura de informações de como expandir seus negócios para a terra do Tio Sam. Não é para menos, o país é a maior economia do mundo e o hobby preferido do americano é consumir, desde produtos a serviços.

Com uma grande variedade cultural de estado para estado, o empresário estrangeiro vê no mercado americano a mina de ouro para abrir uma filial, franquia ou até o primeiro negócio da família. Entretanto, quem trabalha na área e lida diretamente com esses empresários visionários pedem cautela na hora do investimento.

Não é porque Steve Jobs começou a multimilionária Apple na garagem do seu pai que qualquer ideia de negócio pode alcançar o mesmo sucesso. Nem mesmo as altas cifras de investimento no plano de negócios é garantia de alguma coisa. Que o diga a rede britânica de supermercados, Tesco. Seus £1.5 bilhão não conseguiram segurar o nome do empreendimento na ex-colônia. O negócio foi por água abaixo.

Caso semelhante aconteceu com a brasileira Vivenda do Camarão. O investimento divulgado na imprensa americana em 2014 era de $20 milhões em uma rede de fastfood dedicada ao camarão – Shrimp House. As primeiras e únicas lojas abriram as portas no Sul da Flórida e não duraram dois anos.

Um problema comum, acredita Carlo Barbieri, presidente do Oxford Group é que o empresário estrangeiro, em geral quer que o consumidor americano se adapte ao seu produto e costume e não aceita se adaptar. “Os países são diferentes; a cultura é diferente; os hábitos de consumo são diferentes; as leis são diferentes; as formas de entrada no mercado são diferentes e assim sucessivamente’’, alerta.

 

Na opinião da publicitária, Juliana Bittencourt, da EySea Solutions, o empresário brasileiro precisa ter humildade para aprender. “Não importa quem você seja, o quanto você saiba, o quanto você ganha. É um novo mercado, uma nova realidade. Pesquise, estude, teste, pergunte. Não tenha vergonha de recomeçar. Sem dúvida, a sua experiência vai fazer você acelerar a curva de aprendizado, mas ela certamente existirá”, antecipa.

 “Chegando aqui é importante entender as diferenças e sutilezas do mercado. É definitivamente, um ambiente mais propício para se fazer negócios. Se compararmos com o Brasil, os custos operacionais favorecem o empresário. Mas, por outro lado, a competição é mais acirrada.  É necessário rever preços, tamanho de equipe, rearranjar tarefas, etc. As empresas brasileiras, quando chegam, costumam demorar um tempo até entenderem que não dá para agir no mercado americano da mesma maneira que agem no brasileiro’’, alerta a publicitária.

Mas mesmo assim, o mercado americano é promissor. O número de programas e organizações governamentais e privadas que podem oferecer um help (ajuda) a quem está chegando é grande e diversificada. A chave é ter o maior número de informações possíveis antes de investir os dólares, aliás o triplo em reais.

‘’Há muitos pontos de benefícios para o investidor que vem de fora. Depois de dois anos de operação da sua empresa aqui ele pode obter uma garantia Federal para seus empréstimos. Tem ainda as associações de investidores que podem se interessar por investir no negócio. Mas é imprescindível, estudar a vocação dos condados. Cada um tem diferentes formas de subsídios, dependendo de se encaixar ou não em sua vocação’’, alerta Barbieri.

 

A Flórida tem aproximadamente 20 Milhões de habitantes, destes, de acordo com a estimativa do Consulado Geral do Brasil em Miami, aproximadamente 300 mil são brasileiros, apenas 1,5% da população do estado.  A região do Tri-County (Miami-Broward-Palm Beach) corresponde a 8ª. região mais populosa e economicamente ativa do País. São 6,7 milhões de habitantes.

 

Mesmo assim, o órgão americano responsável por dar suporte `as pequenas empresas, Small Business Administration (SBA) afirma que em 2015, cerca de 80% das empresas que abriram as portas, fecharam. Eles não separam entre empresários americanos e estrangeiros e os dados de 2016 ainda não foram divulgados.

Mas aparentemente esta percentagem não intimida ninguém, o número de empreendimentos na Florida cresce três vezes mais do que o ritmo nacional, 4%, contra 1,2%

‘’Miami é o portão de entrada para a América do Sul e por isso os pequenos negócios comandados por minorias (mulheres, estrangeiros por exemplo) crescem em ritmo acelerado’’, explica Jonel Hein, Diretora Distrital do SBA no Sul da Flórida.

A opinião da diretora sobre o `abre e fecha` de empresas é a mesma que outros empresários. ‘’Eles começam sem os recursos suficientes e acreditam que sabem tudo’’, revela.

O órgão americano tem como objetivo ser a referência e fazer a ponte entre o pequeno empresário e qualquer serviço que ele precise para crescer e prosperar. Inclusive ser fiador para empréstimo bancário de até $150 mil.

Mas não é qualquer um que vai chegar às portas do SBA e solicitar dinheiro para abrir seu negócio. O empresário precisa estar com o seu empreendimento funcionando em um dos 24 condados no Sul da Flórida há pelo menos um ano, além de outros critérios. “Nós vamos direcioná-lo para o que ele precisa, ajudar com plano de negócios e etc’’, esclarece a diretora.

 

Leia Ainda

Quem Já Está Aqui E Quem Está Chegando

 

A Ajuda Brasileira Em Terras Americanas

 

A Necessidade De Saber Bem O Que Está Fazendo

 

Estudante internacional pode solicitar autorização especial para trabalho

O caminho não é fácil, o jeito é conhecer as leis e investir nos estudos

 

 

 

Quando Satish Kurapati, de 26 anos, terminou a graduação em sua terra natal, Índia, ele tinha um foco em mente, vir para os Estados Unidos. O mesmo que outras pessoas de sua família e alguns amigos fizeram. E ele sabia também que seriam tempos difíceis, mas ficar no seu país não estava nos seus planos.

 

Com o diploma do curso superior na área de eletrônica em mãos, ele decidiu fazer pós-graduação no Texas. Satish veio para os EUA com visto de estudante, o F-1. ‘’Índia é o segundo país mais populoso do mundo e a pobreza é grande. Não quero voltar’’, garante.

 

Depois de 18 meses de curso no Texas A&M University, em Kingsville, Satish fez o mesmo que seus colegas, solicitou permissão de trabalho ao governo americano e conseguiu. Em 2 meses, seu Optional Practical Training (OPT) estava aprovado. A partir daí, ele precisou procurar uma agência de empregos em busca de uma colocação no mercado de trabalho.

 

Isso aconteceu em março de 2016. O OPT durou um ano e ele solicitou a renovação, que também foi rapidamente aprovada. Agora ele tem até fevereiro de 2019 para trabalhar legalmente nos EUA.

 

Como funciona o OPT

O Optional Practical Training (OPT) é uma forma legal do estudante de pós-graduação (nos EUA esses cursos são chamados de graduate) conseguir trabalho assim que terminar o curso. Para tanto, o estudante solicita ajuda do Designated School Oficial (DSO) da escola para preenchimento do FORM-I765.

 

A resposta vem em no máximo 90 dias. Estudantes de pós-graduação nas áreas de Science, Technology, Engineering and Mathematics (STEM) podem solicitar extensão, assim como Satish fez. Essas áreas são prioridades para o governo americano.

 

‘’Eu posso dizer que 99.99% dos nossos estudantes solicitam o OPT’’, garante Anthony DeNapoli, diretor para assuntos internacionais da Nova Southeastern University, uma das 10 melhores universidades na Flórida. A instituição possui um departamento para ajudar o Graduate estudante a procurar um emprego assim que o OPT é aprovado, mas o estudante também pode, e deve, procurar por conta própria.

O diretor explica que a maioria dos estudantes da área de Business, Tecnologia e Farmácia conseguem emprego  rapidamente.

A universidade possui 1400 estudantes estrangeiros, de 116 países. Desses, 50 são brasileiros. A maioria dos brasileiros estão nos cursos de pós-graduação.

 

 

Durante e após o OPT

Assim que o seu OPT foi aprovado, Satish buscou uma agência de empregos que terceiriza mão obra na área de tecnologia. Hoje, ele presta serviços para uma multinacional na área de seguros no sul da Flórida. “’Sou funcionário da agência. Mas vale a pena ficar aqui’’, confessa.

 

Ele conseguiu o OPT em março de 2016 e em abril de 2017, a mesma agência solicitou o visto de trabalho –  (o famoso, tão sonhado e desejado) H1B, mas a concorrência foi grande demais e ele não conseguiu passar na peneirada do governo. ‘’Ainda tenho a possibilidade de tentar em abril de 2018. Se não der, eu tento outro mestrado em 2019 e ai tentarei o CPT. Mas não volto para a Índia’’, planeja.

 

Ele conta que a trajetória de um amigo serve de exemplo para seu esforço. Seu amigo está nos EUA há 7 anos. Primeiro como estudante visto F-1 no curso de Pós-graduação, depois com a autorização OPT, depois H1-B e, agora, aguarda o tão sonhado Green Card. ‘’Já foi aprovado. A fila é longa, mas é possível’’, diz Satish esperançoso em ter a mesma sorte que o amigo.

 

OPT x CPT

O Optional Practical Training (OPT) pode ser solicitado 90 dias antes do término de um ano acadêmico ou no máximo 60 dias após o fim do curso. O aluno precisa estar matriculado em tempo integral (full time). Cada universidade exige um número mínimo de disciplinas para considerar o aluno como full time.

 

Assim que completar um ano na universidade, o aluno pode solicitar o OPT para trabalho de 20 horas por semana durante o período das aulas, e período integral durante as férias. Quando terminar a pós-graduação, o OPT deve ser alterado para trabalho integral.

 

O Curricular Practical Training (CPT) também é outra alternativa. De acordo com o website oficial do governo americano, o trabalho precisa estar ligado a área de estudos do requerente. Não é exigido que o estudante trabalhe apenas 20h/semana durante as aulas, mas é necessário um acordo com o empregador e a universidade. 

 

Outras opções para trabalho para estudante com visto estudante

Ainda de acordo com o website do governo americano (USCIS), os estudantes estrangeiros possuem as seguintes opções:

 

M-1 Visa – Este é um tipo de visto de estudante para quem está interessado em fazer cursos profissionalizantes. O emprego precisa estar diretamente ligado a área de estudo.

 

Estudante Empreendedor – O governo americano considera empreendedorismo como trabalho. O estudante interessado deve ter o visto F1 e qualificar para o OPT.

 

Para ser aceito em um curso de pós-graduação o estudante precisa apresentar bom ou excelente nível de inglês.

 

Cartilha ensina brasileiros a empreender na Flórida

Ter sua própria empresa agora ficou mais fácil, cartilha do consulado oferece todas as dicas

O Consulado Geral do Brasil em Miami disponibilizou uma cartilha explicativa para facilitar a vida de quem se sentia perdido com as regras e leis na Flórida para abrir uma empresa. O guia foi lançado oficialmente no dia 16 de fevereiro em um evento para mais de 200 pessoas no auditório da Primeira Igreja Batista da Flórida – PIB Florida, em Pompano Beach.

 

Além da versão impressa e gratuita da cartilha, os brasileiros também têm acesso ao documento via download direto do site do consulado – http://miami.itamaraty.gov.br/pt-br/como_empreender_na_florida.xml. O guia “Como Empreender na Flórida’’ tem um pouco de tudo, desde como registrar a empresa junto aos órgãos competentes americanos até as diferenças dos costumes locais se comparados com o Brasil.

 

A elaboração do guia teve o apoio do Conselho de Cidadãos da Flórida, Fort Lauderdale Small Business Development Center e do Small Business Administration.

 

Durante o evento, o Cônsul-geral do Brasil em Miami, Embaixador Adalnio Senna Ganem, enalteceu a participação brasileira na área empresarial da Flórida. “A nossa estimativa é que entre os 300 mil brasileiros no Estado, pelo menos 10%, ou seja 30 mil compatriotas estejam engajados em algum tipo de empresa própria’’, citou o embaixador.

 

Carlo Barbieri, representante do Conselho de Cidadãos da Flórida, fez questão de frisar que o brasileiro empreendedor pode utilizar de crédito adquirido junto aos bancos no Brasil, na Flórida. “Ele pode sim conseguir este apoio e procurar os órgãos americanos. Ele vai ser visto como uma pessoa jurídica e não física. Com isso, detalhes legais podem ser irrelevantes. É um guia para todos!’’, explicou.

 

O Guia “Como Empreender na Flórida’’ foi elaborado para servir de caminho para os empreendedores brasileiros e por isso não fornece indicação e ou patrocínio de empresas privadas. “O Guia não indica empresas privadas, indica caminhos. É fundamental chegar aqui com uma trilha, não perder tempo. Você já chega organizado!’’, comentou Barbieri.

 

Visto de estudante pode ser alternativa para turistas brasileiros

Com as regras linha dura do novo presidente americano, brasileiros começaram a procura por alternativas para prolongar seu tempo de permanência nos Estados Unidos com menor possibilidade de deportação. Desde a divulgação de que indocumentados vão estar na mira na polícia, a procura por informações sobre visto de estudante (F-1) aumentou.

A tática comum dos brasileiros de chegar aos Estados Unidos com visto de turista B1/B2 e, após o vencimento do tempo de permanência, simplesmente “ir ficando’’ no país pode ser mais perigosa do que nunca. Um dos grandes problemas dos imigrantes indocumentados é a falta de carteira de motorista, isso é justamente o que vem atraindo as pessoas ao visto de estudante.

“Se a pessoa estiver dentro do status seguindo as leis e regras, o risco de deportação com o visto F1 e praticamente zero. Mas se a pessoa estiver quebrando as regras como trabalhando e etc sempre existe um risco, não é grande mas o risco existe’’, esclarece o advogado, Ludo Gardini.

O advogado explica que a mudança de status tem levado de quatro a 8 meses, mesmo assim a procura tem aumentado já que o governo americano não apontou nenhuma mudança neste tipo de visto. “Não acredito que haverá mudanças para F1’’, salientou o advogado.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

 

 

O estudante internacional pode adquirir a carteira de habilitação pelo tempo em que ficará estudando no país. Seja ele estudante de curso de inglês, técnico ou universidade. Além disso, há a possibilidade de renovação (por enquanto) por tempo indeterminado. Durante o tempo de espera pela mudança do B1/B2 para o F1, o estudante não é obrigado a frequentar as aulas. É comum encontrar brasileiros que renovam o visto F1 por anos a fio.

Ajuda

‘’De fato, a procura por informações sobre escolas inglês com as quais é possível solicitar o visto F1 mais do que dobrou na última semana. Os brasileiros estão procurando uma alternativa’’, diz a diretora da ONG, USAHelp4U, Joselina Reis.

A ONG tem uma lista de escolas de inglês que oferecem o formulário I-20 com o qual obtém-se o visto de estudante e também oferece cupons de desconto de até 40% nas mensalidades.  ‘’Algumas escolas dão cupons de descontos generosos, mas o número de cupons é limitado”, lembra a diretora.

“O pedido de mudança de B1/B2 para F1 está sendo muito procurado ultimamente. O processo de mudança continua devagar para alguns estudantes, mas isso os ajudam a organizar sua vida e situação enquanto esperam a aprovação do pedido’’, esclarece o diretor da escola Lingua Language Center, Erwin Richter.

Vale lembrar que há diferenças entre o visto de estudante internacional (F1) – solicitado por qualquer estudante internacional – e os estudantes indocumentados protegidos temporariamente com a ordem executiva do ex-presidente Barack Obama, Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA). O destino desses últimos ainda não foi decidido pelo novo presidente.

O presidente americano, Donald Trump, comprou uma briga na justiça tentando barrar temporariamente a entrada de imigrantes e refugiados de sete países do Oriente Medio. Para o Brasil, as mudanças incluem apenas a necessidade de comparecer para entrevista, exigência que anteriormente não era necessária em alguns casos.

 

Brasil

Segundo o US Departament of State’s Bureau of Consular Affairs, o setor de intercâmbios movimentou US$ 34 bilhões em 2015 no país. O Brasil ocupava, até 2015, o sexto lugar entre os países que mais enviavam estudantes aos Estados Unidos, segundo o relatório anual Open Doors, do IIE (Instituto de Educação Internacional).

Na semana passada, o embaixador brasileiro em Washington, Sergio Amaral, disse acreditar que em curto prazo, a concessão de vistos àqueles que fazem visitas frequentes aos EUA, seja a negócios ou para algum tipo de intercâmbio, poderá ser facilitada na gestão Trump.

O Brasil é um dos dez países que mais enviam turistas aos Estados Unidos.

 

Time de futebol americano procura novos jogadores

O time de futebol de Fort Lauderdale, Strikers, busca novos jogadores para a temporada 2017. A última peneirada do ano, Tryout, acontece no dia 10 de dezembro às 7 da manhã no estádio do time – Lockhart Stadium (FLL – Flórida). Uma ótima oportunidade de trabalho para atletas brasileiros nos Estados Unidos.

 

Strirkers é o time preferido da comunidade brasileira no sul da Flórida. Um dos donos é nada menos que o jogador Ronaldo – O Fenômeno. Vários jogadores do time são brasileiros e a cada ano o número aumenta.

 

A peneirada acontece para os grupos principal e juniores – U23 e U19. Os interessados devem preencher formulário no website do time (www.strikers.com) e pagar uma taxa de $150. Jogadores com menos de 18 anos precisam do consentimento dos pais para participar da peneirada.

 

O time não se responsabiliza pela viagem de jogadores para participar da peneirada.

Boa sorte.

botao menor interno

Visto de trabalho H-1B para os Estados Unidos

O popular visto de trabalho H-1B para os Estados Unidos (sonho de muitos brasileiros) está cada vez mais difícil de se conseguir. Ele foi criado para ajudar o empregador americano a contratar empregados estrangeiros, mas quem está ficando com a maior parte dos 85 mil vistos disponíveis por ano são empresas de recrutamento e outsourcing, que descobriram como usar o recurso do H-1B sem quebrar as regras de recrutamento estrangeiro.

O visto contempla profissionais estrangeiros de alta especialização e curso superior, a maioria no setor tecnológico.  De acordo com uma reportagem publicada no jornal The New York Times, a maior parte dos pedidos de H1-B começam a ser apreciados depois de passarem por uma espécie de loteria, e companhias de recrutamento internacional inundam o sistema com pedidos, diminuindo significativamente as chances de seleção para o candidato comum.

Antigamente, um empregador americano poderia conseguir esse tipo de visto para um trabalhador estrangeiro a hora que quisesse. Nos últimos anos, entretanto, as coisas mudaram. As empresas de recrutamento e outsourcing entram com dezenas de milhares de pedidos assim que a imigração abre as inscrições para o H-1B. As inscrições para o visto abrem no dia 1 de abril e são na base do ‘leva quem chegar primeiro’. Depois desse prazo, fica muito difícil conseguir uma aprovação.

Das 20 companhias que receberam a maioria dos H-1B em 2014, 13 eram empresas de recrutamento global, de acordo com a reportagem do NYT. Elas ficaram com 40% dos vistos disponíveis (cerca de 32 mil), enquanto 10 mil outros empregadores dividiram o restante deles. Cerca de metade das aplicações do ano fiscal de 2014 foram rejeitadas porque ficaram de fora da quota.

Entre os tipos de vistos de trabalho oferecidos pelos Estados Unidos, o H-1B sobressai pelas suas regras peculiares. A quota anual é de 65 mil vistos para estrangeiros aplicando pela primeira vez.

Estrangeiros que fazem pós-graduação em universidades americanas tem mais uma chance. Eles ficam com 20 mil vistos restantes designados só para eles.

A demanda pelo visto tem explodido nos últimos anos. Desde 2013 que o governo é obrigado a usar o recurso do sorteio para a seleção. Este ano, 233 mil aplicações foram submetidas em apenas sete dias, e dois terços delas foram negados por chegarem depois de ultrapassada a quota de 85 mil.
Fonte: AcheiUSA

botao menor interno

 

Bolsas de estudos e oportunidade de trabalho no exterior

Fundação oferece mais de 100 mil euros em bolsas de estudo na Espanha

Fundação MAPFRE oferece 150 mil euros em bolsas de estudo para pós-graduação na Espanha. O programa acadêmico, de um ano letivo completo, abrange as seguintes áreas: análise técnico-atuarial, previdência social, direito dos seguros, gestão e organização das empresas de seguros, contabilidade e análise econômica financeira das companhias de seguros. As inscrições podem ser feitas até o dia 25 de setembro por meio do site oficial. (http://www.fundacionmapfre.org). Os interessados devem imprimir o formulário on-line e enviá-lo juntamente com o restante da documentação solicitada antes de 25 de setembro de 2015 para o seguinte endereço: FUNDACIÓN MAPFRE – Área de Seguro y Previsión Social. Becas de formación especializada para estudiantes de postgrado. Bárbara de Braganza 14, 2ª planta. 28004 Madri – Espanha

 Oportunidades internacionais para jornalistas

Veja abaixo oportunidades para jornalistas fora do Brasil. As inscrições estão abertas.

Bolas do World Nomad de visage de documentário – Prazo final: 7 de setembro. Documentaristas aspirantes podem se inscrever para uma viagem para captar a cultura e as comunidades na costa do Pacífico da Colômbia. A viagem vai acontecer de 21 de novembro a 3 de dezembro. Os vencedores vão passar sete dias filmando na Colômbia e três dias em um workshop em Bogotá.

Bolsa de reportagem de saúde da National Press Foundation – Prazo final: 8 de setembro.  A National Press Foundation dos Estados Unidos oferece bolsas de viagem a jornalistas interessados em saúde do pulmão para cobrir a 46° Conferência Mundial da União de Tuberculose e Saúde Pulmonar na Cidade do Cabo, África do Sul.

Bolsa de jornalismo investigativo internacional – Prazo final: 8 de setembro. O Fund for Investigative Journalism oferece bolsas de $5,000 para apoiar projetos de jornalismo investigativo em todo o mundo. As bolsas cobrem despesas de viagem, mas não salários ou equipamento. Todas as propostas devem ser apresentadas em inglês e incluir um orçamento detalhado

Bolsas TED  Prazo final: 20 de setembro. Inovadores, fotógrafos e empreendedores podem concorrer a uma bolsa de viagem da TED (Tecnologia, Entretenimento e Design) para Vancouver, no Canadá. Vinte bolsistas serão selecionados para a conferência TED de 15 a 19 de fevereiro de 2016. Os participantes também terão a oportunidade de participar de programas pré-conferência de treinamento de palestrantes.

Bolsas de reportagem do GroundTruth – Prazo final: 22 de setembro. O GroundTruth Project busca candidatos para até cinco bolsas de reportagem em novembro. Os bolsistas vão viajar para a França para cobrir a Conferência do Clima em Paris 2015 em dezembro e trabalhar com a equipe do GroundTruth para dar forma a um pacote multimídia que será reportado ao longo dos próximos três anos. Mais informações sobre todas essas bolsas no site http://ijnet.org.

Alemanha oferece bolsas de estudo para jovens ‘líderes’

A Fundação Alexander von Humboldt está com inscrições abertas para o programa German Chancellor Fellowship que dará bolsas de estudo de um ano para pesquisas em universidades alemãs. Os selecionados também receberão mentoria e apoio no desenvolvimento de suas carreiras, além de conhecerem diversos líderes e representantes de empresas e instituições alemãs.

A bolsas de estudos cobre os gastos com a viagem e oferece ao estudante um auxílio para viver na Alemanha, que pode chegar a 2.750 euros por mês.

Para se candidatar, é preciso ter concluído um curso de graduação, ter fluência em inglês ou alemão e demonstrar capacidade de liderança. As vagas são para profissionais que atuam especialmente nas áreas de Políticia, Economia, Mídia e Comunicação. O prazo para inscrições vai até o dia 15 de setembro pelo site da Fundação (https://www.humboldt-foundation.de).

 Rússia busca estrangeiros de 74 profissões

São Paulo – A demanda de desenvolvimento da indústria da Rússia é uma boa notícia para profissionais estrangeiros interessados em se estabelecer definitivamente no país.

Em vigor desde o começo de julho, um decreto do Ministério do Trabalho da Rússia facilita a concessão de cidadania russa para pessoas de 74 profissões, em especial das áreas de engenharia, medicina, além de profissionais técnicos, segundo informações publicadas pelo jornal russo Rossiyskaya Gazeta.

Na lista estão médicos (cardiologistas, pediatras, médicos da família), veterinários, fisioterapeutas, enfermeiros, farmacêuticos, matemáticos, engenheiros (civis, de projetos, eletricistas, da área de tecnologia, de qualidade, de metrologia, entre outros). Entre os profissionais técnicos, estão torneiro mecânico, tecnólogo, técnicos de laboratório, soldadores, e outros. Há ainda cargos de gestão como, por exemplo, diretor de economia e engenheiro chefe de projetos.

Para participar do processo, o profissional precisa obter um tipo de visto específico dado aos interessados em conquistar a cidadania russa. Antes, era preciso ter completado um ano de residência temporária na Rússia para ter o direito à residência definitiva. Agora, não há mais esta obrigação. A lista completa das ocupações está em russo e pode ser conferida no site da Rossiyskaya Gazeta. (http://www.rg.ru/2015/08/03/grazdanstvo-dok.html).

botao menor interno

As semelhanças e diferenças entre os vistos L1 e H1B para os Estados Unidos

Por Attila de Andrade

Advogado

Há uma crescente busca de vistos L1 and H1B por conta do incremento das relações comerciais entre o Brasil e os EUA. Todavia, esses vistos têm se confundido na prática diária do processamento de vistos. A primeira semelhança entre os dois tipos de vistos consiste em que ambos se referem a um pedido de permanência temporária nos EUA.

Segundo, o solicitante ao visto não precisa comprovar laços com o país da empresa contratante do executivo ou empregado. Terceiro, ambos permitem o pedido de “premium process”. Mediante o pagamento de uma taxa ao Departamento de Imigração, a resposta ao visto pode ser concedida mais rapidamente.

As diferenças são as seguintes. O visto L1 é o que concerne ao pedido de uma empresa de um funcionário para uma subsidiária americana dessa empresa. Por exemplo, a empresa brasileira contrata um executivo para trabalhar na sua subsidiária americana. O funcionário em questão, deverá comprovar um vínculo empregatício anterior de no mínimo 1 (um) ano com a empresa brasileira. Por sua vez, a empresa brasileira deva comprovar que exista há algum tempo, mediante balanços e comprovante de rendimentos tributados no Brasil. Isto tudo para evitar qualquer tentativa fraudulenta a respeito da empresa brasileira contratante.

Já no caso do visto H1B não precisa ser uma empresa brasileira, a contratante. Pode ser uma empresa americana contratando um funcionário estrangeiro, por exemplo um cidadão brasileiro. Esse visto é mais complicado porque a empresa americana contratante do executivo ou funcionário estrangeiro deva fundamentar e comprovar que o tipo de “expertise” do funcionário estrangeiro contratado não exista nos EUA (o que obviamente é muito difícil). Ademais apenas um número determinado de vistos H1B é reservado ao ano para aprovação. Portanto o visto H1B é mais dificil de se obter do que o visto L1.

Há certas classes trabalhadoras onde há uma certa facilidade para concessão de vistos H1B. Geralmente são classes onde haja uma escassez de profissionais nos EUA. É o caso por exemplo, de enfermeiras qualificadas. Sabe-se que milhares de enfermeiras tem sido premiadas pela concessão de vistos H1B contratadas por hospitais americanos. Esse tipo de profissionais muda de ano a ano, dependendo das condições de trabalho prevalentes nos EUA.

Outra grande vantagem dos vistos L1 e H1B, dependendo das circunstâncias, caso a caso, ambos possam depois de algum tempo, conduzir o solicitante ao pleito do chamado “green card”, ou seja o visto de residência permanente. Esse atende particularmente às enfermeiras estrangeiras a quem tenha sido concedidos os vistos H1B.

Qualquer dúvida sobre vistos entrem em contato com o advogado brasileiro Atila Andrade pelo email ….. attilandradejr2013@gmail.com.

 

botao menor interno

 

 

 

Artigo publicado originalmente pelo jornal AcheiUSA.