Os Altos Salários De Quem Trabalha Na Construção Civil Nos Estados Unidos

Enquanto milhares de estudantes entram em dívidas tentando pagar a faculdade, falta de mão de obra especializada na construção civil

 

Adaptado do Texto original – NPR

Pelo menos uma coisa os Estados Unidos e o Brasil têm em comum, a mentalidade de que somente frequentando uma faculdade cara é possível melhorar a situação financeira da família e ter um futuro melhor. No entanto, diferente do Brasil, nos Estados Unidos a área de construção civil paga bem, se você comparar dólar com real. E a melhor parte é que você não precisa gastar horrores com uma faculdade.

Lembre-se que nos Estados Unidos até mesmo as faculdades públicas são pagas. Os americanos têm acesso a empréstimo do governo e diversas bolsas, mas a procura é sempre maior que o dinheiro disponível e há a um limite para cada estudante.

 

Edital para o Contest 2019 da Ong USAHelp4U.

Edital em Vídeo

 

 

É bem comum encontrar americano com dívidas de $100 mil, $200 mil dólares depois de finalizar a graduação, pós-graduação e doutorado. É a temida Student Loan (Empréstimo Estudantil).

No entanto, é possível conseguir bons salários sem frequentar quatro anos de bacharelado, outros três de mestrado e outros 4 ou 5 anos de doutorado.

Recentemente, a National Public Radio (NPR) publicou uma reportagem sobre o assunto. Na cidade de Seattle (na costa oeste dos Estados Unidos) há uma grande demanda de profissionais na área de edificação metálica (um técnico responsável pela educação metálica em um edifício). A reportagem conta a história de Morgan, um rapaz de 20 anos, que desistiu de frequentar a faculdade para fazer um curso técnico na área de construção civil.

Morgan confirmou que ganha $28.36 dólares por hora (R$96,4 reais), o que chegaria a pouco mais de $50 mil dólares por ano (ou seja $170 mil reais por ano).

Os bons salários nesta área em algumas regiões dos Estados Unidos são reflexos da falta de mão de obra no ‘’serviço pesado’’.  Um contraste com o que ocorre nas vagas que exigem curso superior. O número de estudantes a procura por cursos de graduação aumenta todo ano, enquanto o preço da hora trabalhada diminui. O efeito reverso do investimento – excesso de mão de obra qualificada.

Ainda na reportagem da NPR, uma pesquisa da Associação de Mestres de Obras mostrou que 70% das companhias na área de construção civil nos Estados Unidos tem problemas para preencher as vagas. No estado de Washington, por exemplo, o problema é grave, cerca de 80% das empresas estão em apuros. Algumas chegam a contatar as escolas técnicas a procura de alunos que queiram trabalhar.

Em Washington há uma grande demanda para profissionais nas áreas de carpintaria, eletricista, encanador, torneiro mecânico entre outras. O salário médio anual chega a $54 mil dólares (cerca de R$180 mil).

Na Flórida, os números não são diferentes. A área de construção civil no Sunshine State representa 49.1% dos empregos disponíveis.

A área de construção civil, saúde pública e saúde pessoal são as áreas que mais precisam de trabalhadores nos EUA. A expectativa é que a demanda aumente ainda mais até 2022, desde que a economia continue crescendo no mesmo ritmo. De acordo com o Departamento de Educação dos Estados Unidos a expectativa vai ter 68% mais vagas em cinco anos do que o número de pessoas treinadas para trabalhar.   

Vale lembrar que a maioria dos condados americanos possuem pelo menos um centro de cursos técnicos. Por ser uma instituição pública, essas escolas técnicas cobram valores menores para quem é morador no condado. Aqueles alunos internacionais pagam mais. Entretanto, um curso técnico custa menos da metade de um curso de quatro anos em uma instituição também pública.

 

Posted in Estudar nos EUA, Notícias, Trabalho and tagged , , , , , .