Bolsas de estudos e Bolsas-auxílio para estudantes brasileiros no exterior

 

Veja algumas oportunidades de bolsas de estudos e bolsas-auxílio para brasileiros que queiram estudar no exterior.

Bolsas Santander Universidades

A instituição oferece bolsas-auxilio que variam de acordo com o destino do estudante. O prazo de inscrições vai de 5 de março até 7 de setembro. A bolsa  cobre custos com transporte, hospedagem e alimentação, uma vez que o curso deve ser resultado de um acordo estabelecido entre a universidade de origem e a de destino. A bolsa é tem valor equivalente a 5 mil euros por aluno e deve ser usufruída durante o período de até um semestre pelos estudantes de graduação ou pós. Mais informações pelo website https://www.santanderuniversidades.com.br/bolsas/Paginas/formula-santander.aspx.

Bolsas de estudos para brasileiros na Alemanha

A Alemanha está de olho em jovens brasileiros com potencial de liderança. A  Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes do Brasil (German Chancellor Fellowships for prospective leaders from Brazil) tem como objetivo investir em 10 jovens líderes brasileiros para aperfeiçoarem seu talento na Alemanha.

O projeto é uma iniciativa da Fundação Alexander von Humboldt (AvH), que conta com o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK-SP) e do Consulado Geral da Alemanha em São Paulo. A seleção sera feita pela Fundação Alexander von Humboldt.

O programa é uma grande chance para os brasileiros que querem potencializar suas carreiras. Além do Brasil, o programa Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes (Bundeskanzler-Stipendium für angehende Führungskräfte, no original em alemão) é destinado a jovens pesquisadores da China, Índia, Rússia e Estados Unidos. Com isso, o projeto geral contempla, todo ano, 50 jovens líderes (10 bolsistas de cada país), que terão a oportunidade de colocarem em prática seus projetos, patrocinados pela Alemanha.

O programa exige que o participante tenha formação superior completa, fluência em inglês ou em alemão. Outra exigência é a apresentação de uma carta de recomendação de um mentor para a pesquisa, que pode ser de instituição de ensino privada ou pública. A ajuda mensal para os aprovados varia entre 2.150 euros e 2.750 euros, dependendo das qualificações. Cursos adicionais de alemão, suporte para a família acompanhar o bolsista e as despesas com viagem estão previstos na bolsa. Todos os requisitos podem ser conferidos no edital da fundação.

As inscrições para a Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes já estão abertas e vão até o dia 15 de setembro. A data de início da bolsa é 1° de outubro do ano seguinte (2016) e tem duração de um ano. Mais informações sobre a Fundação e suas bolsas de pesquisa: Informações: http://www.humboldt-foundation.de/

 

Faça intercâmbio com pouco dinheiro

Para aqueles que o sonho de estudar nos estudos esbarra na cotação do dólar ai vão algumas dicas que podem ajudar a baratear a viagem. Sem prejuízo no aprendizado e na diversão.

Programas de au pair, work experience e mesmo opções de estágios no exterior podem ser boas saídas para quem não guardou recursos suficientes para passar uma temporada estudando em outro país, mas não quer dispensar a oportunidade de praticar o segundo idioma.

Au pair – Ser uma espécie de babá das crianças da casa, levá-las e trazê-las da escola, além de brincar com elas nas horas vagas. Esse é o trabalho de au pair em uma família americana.

Para aderir a esse tipo de intercâmbio, o candidato deve ter entre 18 e 26 anos de idade, ensino médio completo, possuir carteira de motorista, ter ao menos 300 horas de experiência com crianças, além de ser do sexo feminino — raramente, homens são selecionados pelas famílias.

Work Experience – Para quem não atende às exigências de um programa de au pair, ou simplesmente deseja uma experiência diferente no exterior, existe a opção de passar alguns meses de férias, trabalhando em lanchonetes, estações de sky, parques aquáticos e hotéis.

A temporada dura de três a quatro meses e o salário pode ajudar a compensar os gastos.  Para esse tipo de intercâmbio, é preciso estar matriculado no Ensino Superior há pelo menos um semestre e ter inglês intermediário.

Estágios no Exterior – Para quem está mais focado na carreira e quer aproveitar a viagem para ampliar sua experiência profissional, existem programas de estágio que exigem investimento baixo perto do retorno que oferecem.

Para participar deste programa, é necessário estar matriculado no ensino superior. O estudante precisa aguardar ser selecionado para a vaga.  O programa alcança mais de 80 países, sendo que, em alguns casos da América Latina, é necessário falar espanhol.

Bolsas de estudos no exterior para ensino médio e pós-graduação

17 de julho

 

Confira bolsas de estudos com inscrições abertas

Bolsas para ensino médio – Programa Jovens Embaixadores levará alunos do ensino médio da rede pública para um intercâmbio de três semanas nos Estados Unidos. Entre os requisitos para participar, está bom nível de inglês e participação em trabalhos voluntários há pelo menos um ano. Saiba mais pelo website http://www.estudarfora.org.br/programa-jovens-embaixadores-abre-inscricoes/. Inscrições até 9 de agosto.

Bolsas de Pós-graduação – Governo mexicano oferece a estudantes internacionais bolsas de estudo para cursos de especialização, mestrado e doutorado nas mais diferentes áreas em 70 universidades do país. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/mexico-oferece-bolsas-de-estudo-para-pos-em-70-universidades/. Inscrições até 31 de agosto.

Bolsa para pesquisa acadêmica – Fundação Alexander von Humboldt — que promove a cooperação entre acadêmicos do exterior e da Alemanha – concederá bolsas de estudo para um ano de pesquisa na Alemanha. O programa busca profissionais que tenham “notória capacidade de liderança” e trabalhado em áreas como política, economia, administração, mídia e cultura. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/concorra-a-bolsas-de-estudo-para-um-ano-de-pesquisa-na-alemanha/. Inscrições abertas até o dia 15 de setembro

 

Intercâmbio em qualquer idade

Não existe idade certa para fazer um intercâmbio. O importante é estar aberto a novas experiências e ter vontade de explorar o diferente.  Para algumas pessoas, a hora certa para morar fora é aos 16 anos. Para outras, só aos 35. Para outros o grande barato é estar com toda a família. Veja abaixo alguns tipos de intercambio e escolha o que melhor se adequa ao seu estilo.

Intercâmbio na adolescência – Existem programas especialmente pensados para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos.  Geralmente os programas têm duração de uma a oito semanas e acontecem nas férias de final de ano (dezembro e janeiro) e férias escolares de junho, julho e agosto. Os principais destinos são: Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e França.

Intercâmbio em família – Essa modalidade tem despertado cada vez mais interesse de pessoas mais maduras, com filhos e com vontade de explorar outras culturas. Há escolas que oferecem atrações para a família toda, geralmente em período de férias.  Os pais ainda têm a opção de ficarem livres para os passeios enquanto os filhos participam de programações mais atrativos para eles.

Intercâmbio com Idioma e diversão – Escolas em mais de 40 destinos pelo mundo oferecem cursos de idiomas combinados com alguma atividade –como fotografia, tênis, golfe, escalada, ioga, dança, esportes de inverno e outros. Esses programas são ideais para quem quer estudar por um período e fazer uma atividade que goste. É a oportunidade de aprender um idioma de maneira bem diferente.

Intercâmbio idioma e voluntariado – É uma ótima oportunidade para conhecer um país diferente e ajudar outras pessoas. Além disso, o voluntariado tem sido utilizado como critério de seleção por algumas empresas na hora de escolher seus futuros funcionários. O programa costuma sair mais barato que os demais, mas ainda assim o intercambista costuma ter despesas com acomodação, alimentação e transporte –além da passagem aérea.

Intercâmbio idioma e trabalho – Esses são os programas mais procurados nos países onde os brasileiros podem estudar um novo idioma e ter uma experiência profissional. A lista inclui: Austrália, Nova Zelândia e Irlanda. Em todos eles, os alunos precisam adquirir cursos de inglês em escolas qualificadas. O período mínimo varia de 14 semanas a seis meses.

 

Bolsas de estudo no exterior para alunos do Ensino Médio

O projeto United World Colleges (UWC), associação com escolas de Ensino Médio de 14 países diferentes, oferece bolsas parciais e integrais para estudantes. As inscrições para o processo seletivo podem ser feitas pelo site da organização até o dia 9 de setembro. A taxa de inscrição, até o dia 14 de agosto, é de R$ 60. Após esse período, o custo passa a ser de R$ 90.

É necessário ter entre 15 e 18 anos de idade e estar cursando um dos dois primeiros anos do Ensino Médio para participar. Falar inglês é desejável, contudo, não é obrigatório. O processo de seleção envolve 3 etapas. Para o ano escolar de 2015 a 2017 nove brasileiros já foram selecionados. Eles irão estudar na América do Norte, Europa, e Ásia. Eles viajam em agosto de 2015. Outras informações sobre o processo seletivos pelo website http://www.uwc.org.br/processo-seletivo.

Mix: Estudar no exterior; Emprego no Canadá; Erros de intercambistas

Destinos alternativos para estudar no exterior

Estudante sempre tem pouco dinheiro, por isso tome nota dessas dicas de destinos alternativos no exterior. São lugares onde não custa tanto e o estudante ainda pode aliar o idioma com atividades extracurriculares.

Nos Estados Unidos, a melhor opção é Havaí. Na Europa, a mais econômica opção é Malta. E a asiática Singapura e Nova Zelândia, na Oceania, também são boas alternativas. Um mês de estudo nesses locais alternativos pode sair por cerca de 8 mil reais.

Havaí – O Havaí é ideal para os amantes da natureza e que têm interesse em praticar o surfe paralelamente ao estudo do idioma inglês.

Ilha de Malta – A ilha fica ao sul da Sicília, na Itália. Por sua importância histórica, é bastante procurada por quem gosta de arquitetura e história. É possível ter aulas de inglês em campo e visitar as construções e locações usadas em filmes. Além disso, o inglês de lá é britânico, por isso é uma opção muito mais econômica do que a Inglaterra, na Europa – a economia chega a 40%.

Singapura – No sul da Península da Malásia, Singapura oferece um dos melhores IDH do mundo. Os profissionais e estudantes que mais buscam o local são os de área de tecnologia e mercado financeiro, pois há aulas voltadas especificamente para os dois setores – Singapura é considerada o Vale do Silício asiático.

Nova Zelândia – Nova Zelândia é outra opção para quem gosta de ficar em contato com a natureza e praticar esportes radicais.  O dólar do país caiu em relação ao americano, por isso fica ainda mais atrativo aos brasileiros.

 

 

Mercado de trabalho para imigrante no Canadá

A região do Quebec há anos mantém um programa de imigração especial para profissionais qualificados. Um dos pré-requisitos é ter menos de 35 anos. A região não para de crescer, principalmente nas áreas de áreas de TI, administração, engenharia, contabilidade e marketing. A outra boa notícia é que eles adoram os trabalhadores brasileiros pela facilidade que eles têm em se adaptar.

Para este ano, a previsão de aceitação de vistos permanentes é de 6.300 para todo o mundo.

Para se candidatar é preciso saber falar francês, poucos sabem, mas a língua oficial do Quebec é a francesa.  Depois disso, ter um bom curriculum é fundamental. Uma formação universitária sólida, com boas notas conta bem no processo.

Outras informações sobre o processo de imigração permanente para o canada no site oficial – http://www.cic.gc.ca.

 

10 erros mais comuns dos intercambistas

 

Nem sempre dinheiro vai resolver todos os seus problemas. Na hora de fazer um intercâmbio, que realmente vá trazer o retorno esperado, é melhor colocar na balança vários fatores que podem fazer da sua viagem um bom ou mau investimento. Veja abaixo alguns erros comuns e tente evitá-los, se possível.

1 – Falta de informação – O estudante não pesquisa a fundo sobre o destino e acaba escolhendo o lugar errado.

2 – Perfil incompatível com o lugar – Um lugar frio pode parecer encantador nas fotos e filmes, mas se você não costuma gostar de baixas temperaturas é bom evitar esses destinos.

3 – Momento errado – O momento certo para fazer um intercâmbio é quando a pessoa realmente quer passar por essa experiência e tem vontade de conhecer o diferente. Mente aberta e preparada.

4 – Achar que “lá fora” o mundo é perfeito –  A experiência será diferente, em um local diferente, e não, necessariamente, em um país perfeito.

5 – Não se preocupar com a saúde – A maioria não se preocupa em consultar um médico antes de deixar o país e não quer fazer nem mesmo um seguro de saúde. Depois, acaba enfrentando transtornos e pode acabar tendo gastos altos e inesperados com consultas e emergências.

6 – Escolher o mais barato – É comum o arrependimento depois, porque o pacote não tem nada a ver com o estilo da pessoa, porque o destino não agrada, porque a escola não oferece o que a pessoa esperava e muitas outras decepções.

7 – Arrumar a mala sem pensar no destino – O primeiro passo é verificar qual o clima do destino na época em que a pessoa estiver para chegar.

8 – Não buscar ajuda profissional – Existem muitas opções de destino, escola e acomodação e, na hora de escolher, o estudante fica perdido.

9 – Achar que o intercâmbio resolve tudo – Às vezes ajuda a ultrapassar um momento ruim, na maioria dos casos, os problemas ficam piores e a experiência pode virar um pesadelo.

10 – Não avançar no aprendizado do idioma – É comum a frustração quando a pessoa escolhe um idioma para estudar e não percebe nenhuma mudança na sua fluência. A culpa é do próprio estudante, pois o progresso depende muito do esforço dele fora da sala de aula.

 

 

 

Emprego no exterior e bolsas de estudos

Websites ajudam a encontrar bolsa de estudos no exterior

Estudar fora do Brasil é um sonho de muitos jovens, mas poucos conseguem pagar pelos altos preços nas universidades, acomodação e custos extras. Para esses jovens, a única opção é uma bolsa de estudos, para ajudá-los a encontrar essas oportunidades vários websites oferecem informações preciosas. Veja abaixo lista de endereços que podem ajudar a encurtar o longo caminho entre o sonho e a realidade de estudar em universidade na Europa e ou Estados Unidos.

Vale lembrar que cada instituição tem seu próprio método de escolha do candidato e datas que devem ser seguidas à risca.

O www.hotcoursesabroad.com é um website com um mecanismo de busca minucioso para ajudar o usuário. Os destinos são limitados aos seguintes países: Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Irlanda, Suécia, Holanda, Singapura e Malásia.

Já o www.scholars4dev.com é um website com um ótimo banco de dados de oportunidades de estudo e um mecanismo de busca poderoso.

Entre os websites brasileiros os que mais podem ajudar os estudantes são:  www.capes.gov.brwww.cnpq.brwww.cienciasemfronteiras.gov.brwww.fapesp.brwww.itamaraty.gov.br;

www.estudar.org.br; www.fundacaolemann.org.br; www.santanderuniversidades.com.br

 

 

As 7 empresas que mais contratam fluentes em português no exterior

Trabalhar no exterior é outro sonho dos jovens brasileiros, principalmente aqueles que já tiveram a oportunidade de estudar fora. Ai vai a lista das 7 empresas que mais contratam funcionários fluentes em português (fora do Brasil). Geralmente, essas empresas oferecem vagas direcionadas a vários lugares pelo mundo.

Vale lembrar que em 2015, muitas vagas foram lançadas no final de abril, e ainda podem estar abertas.  São elas: Johnson&Johnson; IBM;  Tetra Pak;  Amaris; Bayer;  Dell;  ONU;

 

Bolsas de mestrado em inglês na China

Estão abertas até o dia 1º de outubro as inscrições ao programa Schwarzman Scholars, que oferece bolsas de estudos integrais para cursos de mestrado na Universidade Tsinghua, localizada em Pequim, na China.

O mestrado tem a duração de um ano e é possível escolher entre três áreas de estudo: Políticas Públicas, Economia e Negócios, e Estudos Internacionais. Não é necessário ter formação prévia em alguma dessas áreas para concorrer, nem dominar mandarim, já que todas as aulas serão em inglês.

As bolsas de estudo cobrem todos os custos do mestrado e incluem também passagens áreas para a China, moradia, alimentação, seguro-saúde e uma quantia mensal para gastos pessoais. Todos os aprovados deverão morar no campus da universidade.

São elegíveis candidatos que tenham entre 18 e 29 anos (até 30 de junho de 2016), graduação completa (até julho de 2016) e proficiência na língua inglesa, que deve ser comprovada por meio de exames como TOEFL ou IELTS.  Este é o primeiro ano do programa Schwarzman Scholars. A expectativa é que, em 2016, 200 bolsas de estudo sejam oferecidas. Informações completas no website : http://schwarzmanscholars.org/program.

Curso grátis de idioma e bolsas de estudos

 

Curso grátis em Harvard

Se você trabalha, estuda ou tem interesse em fotografia, não perca essa oportunidade de fazer um curso grátis oferecido pela Universidade de Harvard. A instituição está oferecendo um curso a distância grátis de fotografia digital, com duração de 10 a 15 horas.

O projeto é uma parceria com o site de educação Alison.com.  O curso aborda os principais temas sobre a fotografia digital, que incluem: configurações de exposição; leitura de histograma; trabalho de sensor da câmera; lentes da câmera; processamento de fotografia utilizando o software de computador, entre outros. Após a conclusão do curso, o aluno terá domínio sobre o funcionamento das câmeras digitais.

Os vídeos do cursos gratuitos de Harvard são disponibilizados pela Open Learning Initiative da Escola de Extensão Harvard. Antes de realizar o primeiro acesso, o estudante deve se cadastrar no site da Alison.

 

Aprenda outro idioma sem sair de casa 

Quer aprender outro idioma sem sair de casa? Veja abaixo três websites que ajudam, e muito, o aprendizado em outras línguas.

Busuu.com – É a maior rede social de aprendizagem de idiomas do mundo. Com 50 milhões de usuários cadastrados em mais de 200 países, tem como principal objetivo simplificar o aprendizado.

Ao todo, são 12 idiomas que podem ser aprendidos gratuitamente: inglês, alemão, espanhol, francês, italiano, português, russo, mandarim, japonês, árabe, polonês, turco e o busuu, o idioma africano que deu nome ao aplicativo, falado por apenas 8 pessoas no mundo e que corre grandes riscos de extinção.

Italki.com – É uma espécie de Airbnb dos professores de idioma. Lançada em 2007, em Xangai, a plataforma coloca o usuário em contato com uma rede de cerca de 5.000 docentes, de 100 línguas diferentes, com graduação universitária ou não, os chamados community teachers. O registro é gratuito, mas cada professor fixa um preço.

livemocha.com – Com 16 milhões de usuários cadastrados, essa rede social coloca o usuário em contato com nativos em 35 idiomas diferentes. Os usuários podem conversar entre si, corrigir exercícios uns dos outros, ou criar pequenas tarefas e desafios.

Todas as ações são gratuitas, e o diferencial do Livemocha está nos jogos. A proposta da rede social é que as pessoas possam aprender um novo idioma enquanto se divertem, sem sofrimento ou tédio.

 

Governo australiano oferece bolsas de estudo para brasileiros

O programa de bolsas Endeavour do Governo da Austrália está com inscrições abertas para estudantes e empresários que desejam adquirir uma experiência acadêmica ou profissional fora do país, com suporte financeiro completo do governo australiano.

O programa oferece bolsas de estudo integrais para mestrado, doutorado, formação profissional e estágio executivo sênior, buscando novos talentos no Brasil e em outros países parceiros.

Entre os subsídios oferecidos estão despesas de viagem, alojamento, bolsa mensal e seguro de saúde. A oportunidade está aberta para candidatos que desejam obter mestrado ou doutorado em qualquer área de pesquisa.

O período pode variar entre 2 anos para a bolsa de mestrado, com um suporte financeiro total de AU$ 140,500 (R$ 340.000), e 4 anos para doutorado, com subsídio de AU$ 272,500 (R$ 650.000) para o período completo. Trinta e nove universidades participam deste programa.

Para candidatos que tem interesse em conseguir um Diploma, Diploma Avançado ou Diploma Associado na Austrália, em qualquer campo de atuação, por um período máximo de dois anos e meio.

Os cursos são mais voltados para o mercado de trabalho. As bolsas, para o período completo da formação, abrangem um subsídio de AU$131,000 (R$310.000).

As inscrições para a edição 2016 do programa se encerram em 30 de junho. As viagens para os aprovados terão início no próximo ano.

Outras informações no website https://internationaleducation.gov.au.

Estudantes brasileiros na UoPeople sonham com um futuro melhor

Eles são brasileiros, trabalham tempo integral e querem mais. José Litiério, de 26 anos, morador no Rio Grande do Norte, e Carlos Gonzaga, de 34 anos, de São Paulo, estão entre os 50 alunos brasileiros da University of the People. Sem condições de frequentar um curso regular em uma instituição brasileira, os dois descobriram a universidade americana pela internet e começaram este ano a trilhar o caminho rumo ao seu curso superior com diploma emitido nos Estados Unidos.

 

 

 

Leia abaixo entrevista com os dois brasileiros.

USAHelp4U: Como foi o processo de seleção, inscrição e início das aulas?


JpegJosé Litiério: O processo de seleção não foi difícil. Basta atender todos os critérios descritos no site da universidade. Eu busquei informações no catálogo e fiz a inscrição pelo website. Gastei aproximadamente R$260 com a tradução dos documentos necessários – o certificado de conclusão do ensino médio e o histórico.  Enviei tudo pelo correio e fui aceito como aluno. Estou em uma turma de inglês, já que não tenho nada que prove minha proficiência no idioma. Eles perguntaram se eu poderia pagar as tarifas para fazer as provas. Como não podia pagar, então me candidatei para uma bolsa, algo que consegui pela Western Union, sou muito grato pela ajuda.

USAHelp4U: Qual sua opinião sobre o estilo de aula, tudo online? Como é o apoio da universidade durante o aprendizado?

 José Litiério: Na minha opinião é tudo muito claro. Você tem que ler os textos e fazer as atividades relacionadas ao tema da semana. Precisa ainda participar dos fóruns ativamente e fazer redações.  Muita gente fala que cursos à distância não são tão proveitosos quanto os presenciais, mas acho que pela profunda forma de avaliação da instituição, esse problema está resolvido na UoPeople. O que mais gosto, particularmente, no método da faculdade, é o ‘feedback’ que é dado pelos tutores nos diários que devem ser enviados semanalmente sobre nosso progresso. Além dos tutores darem a opinião sobre os nossos textos, nós temos que ler os textos dos outros alunos, e também dar esse ‘feedback’, algo conhecido como ‘peer learning’, o que promove a autonomia do conhecimento. Nós nos corrigimos, nós aprendemos uns com os outros em decorrência de críticas construtivas, e da forte interação. Os alunos na universidade levam bastante a sério o que está sendo feito. Nada impossível, tudo dentro dos limites. A universidade conta com uma excelente equipe de aconselhamento para os alunos, as pessoas lá respondem as solicitações com clareza e rapidez.

USAHelp4U: Qual seu objetivo ao concluir o curso com a UoPeople?

 José Litiério: Quero adquirir conhecimentos em administração, matemática e aprimorar meu inglês. Mas estou me surpreendendo, pois aprendi e irei aprender muito mais que isso pelo que vi no currículo das disciplinas que ainda precisarei estudar.

 USAHel4U: O que cursa na UOPeople?

CarlosCarlos Gonzaga: Ciências da computação

USAHelp4U: Como é sua rotina de estudos?

Carlos Gonzaga: A minha rotina é bem agitada, às vezes trabalho até de madrugada, ou viajo e fico alguns dias fora, eu aproveito para estudar no caminho para o trabalho quando estou no ônibus e no metrô, a noite ou em pequenas folgas que eu tenho entre uma atividade e outra na empresa.

USAHelp4U: Qual seu objetivo ao concluir o curso com a UoPeople?

Carlos Gonzaga: Apesar de já estar com 34 anos, eu ainda pretendo cursar um mestrado.

UHSAHelp4U: Porque escolheu a UoPeople?

Carlos Gonzaga: Eu estava decidido a fazer um curso online e estava pesquisando algumas faculdades aqui no Brasil, nos Estados Unidos, no Canadá e na Inglaterra. Até que um dia eu encontrei uma matéria no New York Times dizendo que a UoPeople havia recebido um “accreditation’’. Aí juntou a facilidade de ser online, ser uma instituição reconhecida pelo governo americano e ser gratuita.

USAHelp4U: Na sua opinião o que uma universidade como a UoPeople significa para os alunos brasileiros?

Carlos Gonzaga: Acho que é uma opção muito interessante para pessoas que acreditam que estudar em uma plataforma online é uma alternativa, além de oferecer um diploma emitido por uma instituição internacional. Acredito também que alguns recrutadores aqui no Brasil podem levar em consideração um candidato que tenha estudado dessa forma, pois além das disciplinas relacionadas ao curso, tem também o fato de que essa pessoa praticou bastante o inglês.

USAHelp4U: Você acha que o diploma estrangeiro para te ajudar no Brasil?

Carlos Gonzaga: Eu tenho o desejo de trabalhar em alguma empresa fora do Brasil. Eu acredito que um diploma estrangeiro vai me ajudar, não só no Brasil, mas como também em algum outro país que eu possa tentar alguma oportunidade.

USAHelp4U: Esse será seu primeiro curso superior?

Carlos Gonzaga: Eu já iniciei dois cursos aqui no Brasil, mas fui obrigado a desistir. Um por conta do preço e outra por conta que eu estava sendo reprovado devido as constantes faltas.

Leia entrevista exclusiva com o presidente da UoPeople

botao menor interno

Escola oferece orientação a alunos estrangeiros que queiram ingressar em faculdades nos EUA

O que fazer depois de concluir o curso de inglês? Essa é uma pergunta que muitos alunos estrangeiros fazem ao terminar os cursos de inglês em escolas particulares nos EUA. Geralmente, eles querem saber quais são as etapas de admissão nos cursos de faculdade e universidades americanas e se poderão conseguir uma bolsa.

Todos os meses a Lingua Language Center, escola de idiomas que faz parte do Broward College no sul da Florida, prepara uma palestra explicativa para orientar os alunos que querem continuar nos Estados Unidos. As palestras são gratuitas, abertas ao público, mas as vagas são limitadas.

“Os alunos chegam até a nós com as mais variadas perguntas e dúvidas. Cabe ao orientador procurar as informações e ajudar este aluno de acordo com a realidade entre o que ele quer e o que o mercado oferece’’, resume a orientador Dr. Lourdes Cowgill, membro da equipe de orientadores do Broward College.

Ela conta que, para os alunos internacionais, sem residência fixa nos EUA, as opções de bolsa de estudos e até financiamento estudantil são limitadas, mas existem. “O número de instituições de ensino nos EUA, entre faculdade e universidades, é muito grande. Infelizmente, não existe uma lista completa em um só lugar. O jeito é procurar bastante”, disse.

Neste caso, explicou a orientadora, que diariamente recebe dezenas de estudantes a procura de uma oportunidade para continuar estudando nos EUA, a opção é – 1) ter certeza qual a área de estudos que deseja investir, 2) procurar as faculdades e ou universidades e fazer a inscrição. Entre a papelada que o aluno é solicitado a preencher, sempre existe uma opção de requerer o financiamento para estudantes estrangeiros e ou bolsa de estudos, com base em mérito.

Essas bolsas podem chegar a 100% depende do curriculum vitae (resume) do aluno. É nessa hora que tudo o que estudante fez fora da sala de aula conta pontos valiosos.

Outra dica da orientadora é 3) escolher faculdades e ou universidades que ofereçam variedade nas áreas de estudos. Desta maneira, é possível requerer mudanças e ou começar em cursos menos especializados e traçar uma trajetória até chegar naquele curso tão desejado. “Muitos não sabem que é possível fazer dois anos de curso básico em colégios como o Broward College, muito mais baratos do que universidades, e depois pedir transferência e finalizar a graduação em uma universidade. Isso diminuiu substancialmente, os custos”, disse.

Outra dica da orientadora é 4) procure pela diversidade. Ela conta que as faculdades e universidades americanas adoram diversidade no corpo discente. Dessa maneira, o estudante estrangeiro precisa procurar uma instituição que não tenha tantos alunos da sua origem. Com isso, as chances de ser aceito e até ganhar uma bolsa de estudos são maiores.

Ela também lembra que caso os alunos estrangeiros já tenham iniciado o curso superior em seu país de origem, parte das disciplinas podem ser reaproveitadas nos Estados Unidos. “Em alguns casos, os alunos precisam refazer quase todo o curso superior, em outros, apenas algumas disciplinas, e por último, praticamente nada, só traduzir tudo e pronto! Seu curso tem validade aqui e você pode pensar em voos mais altos’’, explica.

Próxima palestra na escola Lingua Language Center será sobre imigração – mudança de visto de turista para visto de estudante.

Serviço

Lingua Language Center at Broward College

lingua@broward.edu.

225 East Las Olas Boulevard, Fort Lauderdale, 33301

(954) 577.9955

botao menor interno

Abertas as inscrições para bolsas de estudo no exterior

Veja abaixo diversas oportuniades de bolsas de estudo no exterior:

 

Bolsas de estudos em New York para jornalistas

O Fundo Dag Hammarskjöld está oferecendo bolsa de estudos para Jornalistas que queiram ficar até três  meses em Nova York, nos Estados Unidos, cobrindo eventos da ONU. As inscrições vão até o dia 16 de março.  O trabalho tem início em setembro vai até o final de novembro deste ano.

Serão concedidas quatro bolsas de estudo entre profissionais da América Latina, Caribe, África e Ásia. Os benefícios cobrem os custos com passagens áreas e acomodação, além de incluir um valor diário para alimentação.

Para concorrer, é preciso ser graduado em comunicação e possuir experiência na área, ter entre 25 e 35 anos de idade e ótimo domínio do inglês, já que todas as reuniões e conferências serão realizadas neste idioma. Além disso, os interessados devem comprovar que estão empregados e trabalham em tempo integral como jornalistas em veículos de televisão, rádio, mídia impressa ou online.

O processo de seleção inclui o envio de uma ficha de inscrição; amostras do trabalho como jornalista (reportagens, gravações de aúdio ou vídeo), veiculados entre 2013 e 2014,  com um resumo em inglês; duas fotos recentes; e cópia do passaporte. É preciso ainda enviar duas cartas de seus supervisores (em inglês) atestando sua competência jornalística, e uma da empresa aprovando a participação no programa e informando que o candidato continuará empregado durante a vigência da bolsa. Veja detalhes sobre o processo de seleção clique aqui.

 

Instituição canadense oferece 400 bolsas de estudos

O projeto canadense Emerging Leaders in the Americas Program (ELAP) está oferecendo 400 bolsas de estudos para estudantes e ou pesquisadores de vários países no mundo, incluindo o Brasil.  Os candidatos precisam provar que estão estudando em tempo integral e ter o apoio da faculdade para o intercâmbio.

Inscrições vão até o dia 30 de abril deste ano. As aulas terão início entre 2 de julho de 2015 e 1 de fevereiro de 2016. A duração do curso, a ser escolhido pelo candidato, deve ser entre 4 meses e um ano. O valor da bolsa varia entre $7200 a $9.700.

Para se inscrever, o candidato precisa contatar a faculdade onde estuda e saber se há algum convênio com universidades canadenses que estejam na lista de participantes do ELAP. Veja outros detalhes do processo seletivo.

Bolsas de estudo para programa de pós-doutorado no exterior

As inscrições para o novo Programa Estágio Pós-Doutoral PCTI 2014 – Parques Tecnológicos seguem até 15 de maroc. A iniciativa da Fundação Capes selecionará bolsistas para estágio no nível de pós-doutorado, voltado para a área de gestão e desenvolvimento de ambientes de inovação.

O Programa tem o objetivo de oferecer oportunidade de formação pós-doutoral no exterior, possibilitando maior visibilidade internacional aos ambientes de inovação brasileiros, em especial os Parques Científicos e Tecnológicos.

A Capes concederá bolsa no valor de US$ 2.100 (mais de R$ 6,5 mil) mensais para os bolsistas que forem estagiar nos Estados Unidos; e de € 2.100 mensais para os bolsistas que forem estagiar na Europa.

A bolsa terá duração de seis meses, renovável por igual período em função do desempenho do bolsista. Também serão concedidos os seguintes benefícios: auxílio-seguro saúde; auxílio instalação e auxílio deslocamento.

As atividades no exterior têm início previsto a partir de setembro de 2015. Veja detalhes do processo seletivo.

 

Faculdade no Canadá oferece bolsa de estudos

O Canadore College, no Canadá, está com inscrições abertas para estudantes internacionais interessados em fazer um dos mais de 65 programas oferecidos pelo College em 2015.

Para os novos alunos, o Canadore oferecerá bolsas iniciais de estudo no valor de até CAD $2.000,00. A bolsa será válida para o primeiro semestre de estudo em cursos oferecidos pelo College em tempo integral, inclusive o curso regular de ESL (English as Second Language).

Ao completar todos os requisitos para a inscrição, os alunos que tiverem um histórico escolar com mais de 85% de aproveitamento irão automaticamente receber uma bolsa de estudo de acordo com os seguintes requisitos: aproveitamento de 93% ou mais: CAD $2.000,00, aproveitamento entre 90% e 92.9%: CAD $1.000,00 e aproveitamento entre 85% e 89.9%: CAD $500,00.

Além dessa oportunidade inicial, durante os estudos, os alunos podem ser considerados para outras bolsas de acordo com o mérito acadêmico e participação na vida escolar. Outras informações pelo e-mail  Laura.Saraiva@canadorecollege.ca ou acesse o website www.canadorecollege.ca.

 

botao menor interno

Projeto oferece viagem de graça para estudante voluntário

Se você estiver interessado em uma bolsa que lhe permite viajar ao fornecer serviços voluntários então o Giving Back Program, da Human Project, é uma grande oportunidade para você. O prazo é até o dia 31 de março.

Os estudantes aceitos terão sua passagem aérea, alojamento, seguro médico e algumas eventualidades cobertas pelo programa. A duração da viagem é de 10 a 14 dias.

Cada aluno estará participando de um projeto em parceria com uma organização de voluntariado internacional. Antes de viajarem, os alunos receberão treinamento em liderança e filantropia.

Para participar, os interessados precisam ter entre 18 e 25 anos e preencher um requerimento online. Os candidatos devem estar estudando nos Estados Unidos, mas podem ser de qualquer país e estar cursando qualquer curso em uma universidade. O aluno vai precisar ainda de duas cartas de recomendação, uma redação e uma foto recente.

O comitê de seleção do projeto irá analisar todos os pedidos e selecionar os candidatos finais para participar de uma entrevista via Skype. Entre os requisitos para conseguir uma das cinco vagas estão: maturidade, abertura às culturas estrangeiras, ser independente, e ter vontade de ajudar o próximo.

Onde estudar no exterior de graça – ou quase

Quando o assunto é estudar fora, os destinos mais procurados pelos brasileiros são Canadá, Estados Unidos e Inglaterra, de acordo com a Associação Brasileira de Organizadores de Viagens Internacionais e Culturais (Belta). Embora os EUA estejam em primeiro lugar, o fato é que o sonho americano muitas vezes esbarra num ponto difícil de ser superado: o alto custo.

Mas antes de desistir de estudar fora, veja estes roteiros europeus onde é possível estudar de graça (ou quase):

  1. Alemanha – A Universidade de Hoheinhem, em Stuttgart, por exemplo, oferece o curso de mestrado em ciências bioeconômicas, de graça e em inglês. São 45 vagas e o prazo final para candidatura é dia 15 de junho de 2015. Não há mensalidades, mas o aluno precisará desembolsar três taxas simbólicas: de 90, 60 e 5 euros.
  2. Suécia – A Suécia oferece mais de 900 programas em inglês, distribuídos em 35 diferentes universidades. Os estudantes pagam somente a taxa de matrícula, exceto para programas de doutorado, que são completamente isentos.
  3. Finlândia – A Finlândia, país do norte da Europa, não cobra matrículas e nem mensalidades escolares para os cursos de graduação e pós-graduação, além de oferecer um grande número de programas em inglês.
  4. França – A França oferece mais de 76 cursos de graduação em inglês, mas a maioria é oferecida por universidades particulares e costuma ser caro. No entanto, existem diversos cursos de pós-graduação formatados exclusivamente para estudantes de língua inglesa e com preços bem acessíveis. O mestrado de engenharia de nanotecnologia oferecido pela Universidade de Lyon, por exemplo, custa 582 euros por ano (mesmo para estudantes não europeus), já com o seguro saúde incluso. O prazo de candidatura vai até 15 de maio de 2015. O curso tem duração de dois anos e as aulas são em inglês.
  5. Tromson Island (Noruega) – As universidades estaduais norueguesas não cobram mensalidades dos estudantes. E mais: o sistema de ensino superior do país prioriza turmas pequenas, o que faz com os que professores sejam muito acessíveis.
  6. Eslovênia – A Eslovênia faz fronteira com a Itália e com a Croácia e oferece cerca de 150 programas totalmente em inglês e a preços acessíveis. O mestrado de Estudos Migratórios e Relações Interculturais, por exemplo, da Universidade de Nova Gorica, é em inglês e custa 2.500 euros por ano.

 

botao menor interno

 

Fonte: Estudar Fora