As vantagens e desvantagens do visto de turista e de estudante nos EUA

Atendendo a pedidos, a advogada Elora Andrade Ortego, respondeu a algumas dúvidas de estudantes brasileiros

 

 

Muitos estudantes brasileiros ficam na dúvida sobre as vantagens e desvantagens do visto de estudante e de turismo quando decidem viajar para os Estados Unidos. A advogada Elora Andrade Ortego, com escritório em Miami, respondeu algumas perguntas.

USAHelp4U: Qual a diferença entre visto de estudante e visto de turismo?

Elora Andrade: O visto de turismo possibilita que o estrangeiro entre nos Estados Unidos com intuito de fazer turismo; ou seja, viajar, fazer compras e passeios, participar de atrações ou simplesmente visitar amigos e familiares.  Já o visto de estudante, como o próprio nome indica, possibilita que estrangeiro estude legalmente nos EUA.  Como todos os tipos de visto, o visto de estudante também tem regulamentos que devem ser seguidos perante a lei enquanto o estrangeiro permanecer em status de estudante.  Para ser emitido, o estrangeiro deve estar matriculado em faculdade ou curso que emitam o Formulário I-20 (documento essencial para obtenção do visto de estudante).  Para que esse visto seja mantido, o estrangeiro deverá seguir matriculado e frequentar o curso seguindo as normas do mesmo (ex: número máximo de faltas, notas mínimas, dentre outras regras impostas pela instituição acadêmica).  A possível violação do visto de estudante pode causar problemas para manutenção do status imigratório; sendo assim importante saber exatamente quais os regras a serem seguidas.

USAHelp4U: Quais os benefícios que o visto de estudante pode oferecer ao estrangeiro?

 

Concurso 2019 de Bolsas de Estudos nos EUA

EAO: O visto de estudante oferece o benefício ao estrangeiro de poder estudar legalmente nos Estados Unidos durante o período que o mesmo estiver matriculado e seguindo os regulamentos do visto e da própria instituição acadêmica.  Outro benefício, é que o indivíduo que esteja vinculado ao visto de estudante tem ainda possibilidade de poder trazer a sua família imediata (cônjuge e filhos menores) vinculados a um visto de dependente do visto de estudante.  Os dependentes podem permanecer nos EUA durante o tempo de vigência do visto do estudante.  Sempre observando a lei e os regulamentos prescritos, o estudante também pode trabalhar com o visto de estudante, geralmente no campus da universidade e respeitando também alguns limites na carga horária de trabalho.  Dentre outros benefícios decorrente deste visto, é o estudante ter a possibilidade de obtenção do número de seguro social (social security number) e carteira de motorista.  Em determinados cursos, o estudante tem direito, após a graduação, a um visto de trabalho geralmente por um período de um ano.

USAHelp4U: Quais os benefícios que o visto de turismo pode oferecer ao estrangeiro?

EAO: O visto de turismo permite ao estrangeiro a entrada nos EUA com o intuito de fazer turismo; ou seja, viajar, fazer compras e passeios, participar de atrações ou simplesmente visitar amigos e familiares.  A permanência concedida para esse fim é de 6 meses na maioria dos casos com a possibilidade de extensão por mais 6 meses.

USAHelp4U: Se o estrangeiro entrar nos EUA com visto de turismo e decidir trocar seu status para visto de estudante, qual o procedimento?

EAO: Uma mudança de status imigratório necessita ser feita. Nesse caso é preferível que o estrangeiro consulte um advogado de imigração para saber exatamente qual o procedimento a ser seguido em vista do seu caso específico.  É muito importante checar que o estrangeiro tem todos os requisitos para obter a mudança de status para que a mesma não seja negada.

USAHelp4U: Esse é um processo arriscado? A imigração tem negado muito essa troca?

EAO: Dependendo da circunstância pode ser um processo arriscado, pois se a mudança de status for negada, o estrangeiro começa a acumular presença ilegal dentro dos EUA.  A troca em si não apresenta tanto risco, mas outras circunstâncias específicas de cada caso podem apresentar riscos. Por isso é importante consultar um advogado que possa avaliar a individualidade de cada caso perante a mudança de status imigratório.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

 

 

USAHelp4U: Se o estrangeiro trocar de visto de turismo para estudante, os seus dependents, como filhos e cônjuges podem ficar com ele nos EUA? Os filhos podem estudar em escola pública?

EAO: Cônjuge e filhos menores do estrangeiro que possua o visto de estudante (ou venha adquirir através de uma mudança de status imigratório) podem permanecer com o estudante principal nos EUA durante o período que ele estiver estudando.  Todavia, é necessário que a mesma mudança de status imigratório seja feita para cada membro da família juntamente com mudança do principal (estudante).

USAHElp4U: Se o estrangeiro, com visto de turismo ou de estudante, conseguir uma proposta de trabalho, qual o procedimento a ser seguido? Precisa ser uma empresa grande?

EAO: Procedimento a ser feito é uma mudança de status para o visto de trabalho.  A empresa contratante não necessariamente precisa ser uma empresa grande; mas sim, necessita provar a necessidade da contratação desse empregado e provar condições de remuneração compatível com o cargo a ser exercido.

USAHep4U: Se o estrangeiro, com visto de turismo ou de estudante, resolver abrir uma empresa nos EUA. Pode? O estrangeiro pode gerenciar seu próprio negócio?

EAO: Com o visto de turismo é possível abrir uma empresa nos EUA; porém o fundador/dono da companhia não pode, sob hipótese alguma, trabalhar ou prestar serviços através da mesma.  Nesse caso, sugere-se a mudança de status imigratório para outro tipo de visto.

Contato com o USAHelp4U pelo email info@usahelp4u.com e com a advogada Elora Andrade Ortego, pelo email elora@andradelawpa.com.

Concurso oferece bolsa de estudos na Flórida

botao menor interno

As semelhanças e diferenças entre os vistos L1 e H1B para os Estados Unidos

Por Attila de Andrade

Advogado

Há uma crescente busca de vistos L1 and H1B por conta do incremento das relações comerciais entre o Brasil e os EUA. Todavia, esses vistos têm se confundido na prática diária do processamento de vistos. A primeira semelhança entre os dois tipos de vistos consiste em que ambos se referem a um pedido de permanência temporária nos EUA.

Segundo, o solicitante ao visto não precisa comprovar laços com o país da empresa contratante do executivo ou empregado. Terceiro, ambos permitem o pedido de “premium process”. Mediante o pagamento de uma taxa ao Departamento de Imigração, a resposta ao visto pode ser concedida mais rapidamente.

As diferenças são as seguintes. O visto L1 é o que concerne ao pedido de uma empresa de um funcionário para uma subsidiária americana dessa empresa. Por exemplo, a empresa brasileira contrata um executivo para trabalhar na sua subsidiária americana. O funcionário em questão, deverá comprovar um vínculo empregatício anterior de no mínimo 1 (um) ano com a empresa brasileira. Por sua vez, a empresa brasileira deva comprovar que exista há algum tempo, mediante balanços e comprovante de rendimentos tributados no Brasil. Isto tudo para evitar qualquer tentativa fraudulenta a respeito da empresa brasileira contratante.

Já no caso do visto H1B não precisa ser uma empresa brasileira, a contratante. Pode ser uma empresa americana contratando um funcionário estrangeiro, por exemplo um cidadão brasileiro. Esse visto é mais complicado porque a empresa americana contratante do executivo ou funcionário estrangeiro deva fundamentar e comprovar que o tipo de “expertise” do funcionário estrangeiro contratado não exista nos EUA (o que obviamente é muito difícil). Ademais apenas um número determinado de vistos H1B é reservado ao ano para aprovação. Portanto o visto H1B é mais dificil de se obter do que o visto L1.

Há certas classes trabalhadoras onde há uma certa facilidade para concessão de vistos H1B. Geralmente são classes onde haja uma escassez de profissionais nos EUA. É o caso por exemplo, de enfermeiras qualificadas. Sabe-se que milhares de enfermeiras tem sido premiadas pela concessão de vistos H1B contratadas por hospitais americanos. Esse tipo de profissionais muda de ano a ano, dependendo das condições de trabalho prevalentes nos EUA.

Outra grande vantagem dos vistos L1 e H1B, dependendo das circunstâncias, caso a caso, ambos possam depois de algum tempo, conduzir o solicitante ao pleito do chamado “green card”, ou seja o visto de residência permanente. Esse atende particularmente às enfermeiras estrangeiras a quem tenha sido concedidos os vistos H1B.

Qualquer dúvida sobre vistos entrem em contato com o advogado brasileiro Atila Andrade pelo email ….. attilandradejr2013@gmail.com.

 

botao menor interno

 

 

 

Artigo publicado originalmente pelo jornal AcheiUSA.

Bolsas de estudos e Bolsas-auxílio para estudantes brasileiros no exterior

 

Veja algumas oportunidades de bolsas de estudos e bolsas-auxílio para brasileiros que queiram estudar no exterior.

Bolsas Santander Universidades

A instituição oferece bolsas-auxilio que variam de acordo com o destino do estudante. O prazo de inscrições vai de 5 de março até 7 de setembro. A bolsa  cobre custos com transporte, hospedagem e alimentação, uma vez que o curso deve ser resultado de um acordo estabelecido entre a universidade de origem e a de destino. A bolsa é tem valor equivalente a 5 mil euros por aluno e deve ser usufruída durante o período de até um semestre pelos estudantes de graduação ou pós. Mais informações pelo website https://www.santanderuniversidades.com.br/bolsas/Paginas/formula-santander.aspx.

Bolsas de estudos para brasileiros na Alemanha

A Alemanha está de olho em jovens brasileiros com potencial de liderança. A  Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes do Brasil (German Chancellor Fellowships for prospective leaders from Brazil) tem como objetivo investir em 10 jovens líderes brasileiros para aperfeiçoarem seu talento na Alemanha.

O projeto é uma iniciativa da Fundação Alexander von Humboldt (AvH), que conta com o apoio da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK-SP) e do Consulado Geral da Alemanha em São Paulo. A seleção sera feita pela Fundação Alexander von Humboldt.

O programa é uma grande chance para os brasileiros que querem potencializar suas carreiras. Além do Brasil, o programa Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes (Bundeskanzler-Stipendium für angehende Führungskräfte, no original em alemão) é destinado a jovens pesquisadores da China, Índia, Rússia e Estados Unidos. Com isso, o projeto geral contempla, todo ano, 50 jovens líderes (10 bolsistas de cada país), que terão a oportunidade de colocarem em prática seus projetos, patrocinados pela Alemanha.

O programa exige que o participante tenha formação superior completa, fluência em inglês ou em alemão. Outra exigência é a apresentação de uma carta de recomendação de um mentor para a pesquisa, que pode ser de instituição de ensino privada ou pública. A ajuda mensal para os aprovados varia entre 2.150 euros e 2.750 euros, dependendo das qualificações. Cursos adicionais de alemão, suporte para a família acompanhar o bolsista e as despesas com viagem estão previstos na bolsa. Todos os requisitos podem ser conferidos no edital da fundação.

As inscrições para a Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes já estão abertas e vão até o dia 15 de setembro. A data de início da bolsa é 1° de outubro do ano seguinte (2016) e tem duração de um ano. Mais informações sobre a Fundação e suas bolsas de pesquisa: Informações: http://www.humboldt-foundation.de/

 

Faça intercâmbio com pouco dinheiro

Para aqueles que o sonho de estudar nos estudos esbarra na cotação do dólar ai vão algumas dicas que podem ajudar a baratear a viagem. Sem prejuízo no aprendizado e na diversão.

Programas de au pair, work experience e mesmo opções de estágios no exterior podem ser boas saídas para quem não guardou recursos suficientes para passar uma temporada estudando em outro país, mas não quer dispensar a oportunidade de praticar o segundo idioma.

Au pair – Ser uma espécie de babá das crianças da casa, levá-las e trazê-las da escola, além de brincar com elas nas horas vagas. Esse é o trabalho de au pair em uma família americana.

Para aderir a esse tipo de intercâmbio, o candidato deve ter entre 18 e 26 anos de idade, ensino médio completo, possuir carteira de motorista, ter ao menos 300 horas de experiência com crianças, além de ser do sexo feminino — raramente, homens são selecionados pelas famílias.

Work Experience – Para quem não atende às exigências de um programa de au pair, ou simplesmente deseja uma experiência diferente no exterior, existe a opção de passar alguns meses de férias, trabalhando em lanchonetes, estações de sky, parques aquáticos e hotéis.

A temporada dura de três a quatro meses e o salário pode ajudar a compensar os gastos.  Para esse tipo de intercâmbio, é preciso estar matriculado no Ensino Superior há pelo menos um semestre e ter inglês intermediário.

Estágios no Exterior – Para quem está mais focado na carreira e quer aproveitar a viagem para ampliar sua experiência profissional, existem programas de estágio que exigem investimento baixo perto do retorno que oferecem.

Para participar deste programa, é necessário estar matriculado no ensino superior. O estudante precisa aguardar ser selecionado para a vaga.  O programa alcança mais de 80 países, sendo que, em alguns casos da América Latina, é necessário falar espanhol.

Trabalhar legalmente no exterior não é tão simples

Sonho de muitos brasileiros ainda é trabalhar no exterior e muitos veem nos Estados Unidos como o país das oportunidades.  Especialistas explicam alguns caminhos para quem sonha em trabalhar nos Estados Unidos. Veja as opções de vistos

25/6/2015
Ana Paula Franco
AcheiUSA

Política imigratória americana favorece empresários e empreendedores e não trabalhadores

Todos os dias, seja por meio das redes sociais, telefone ou emails, muitos brasileiros entram em contato com a redação do AcheiUSA querendo saber como fazem para largar tudo e virem para os Estados Unidos para trabalhar. São pessoas de diversas partes do Brasil que querem vir buscar trabalho e, segundo eles, mudarem o estilo de vida. Eles enxergam os EUA como a terra das oportunidades, mas trabalhar por aqui requer um caminho que nem sempre é fácil como muita gente pensa.

De acordo com a advogada especializada em imigração, Renata Castro, a questão imigratória é a principal barreira, já que é necessária a permissão para trabalhar (work permit) e com visto de turista você não pode trabalhar de forma alguma. A advogada ressalta que há uma crença popular que desde que a pessoa entre com um visto válido, e esteja dentro do período de permanência, esse indivíduo se encontra em status legal, o que é incorreto. “Portadores do visto B-1/B-2 que trabalham nos Estados Unidos estão cometendo uma grave violação de leis federais, já que a permanência dada no momento da entrada nos Estados Unidos foi para fins específicos, ou seja, turismo, e não para trabalho”, afirma Renata. Ela expressou preocupação com o número de pessoas que estão trilhando esse caminho em virtude “de informações erradas vindas de amigos, parentes, ou até mesmo de grupos de desconhecidos no Facebook”.

As opções que existem hoje são relativamente limitadas, já que o Brasil não se qualifica para a loteria de green cards, e a política imigratória norte-americana vem favorecendo a entrada de empresários e empreendedores ao invés de pessoas que buscam colocação no mercado de trabalho. Algumas dessas opções são o visto L-1 para pessoas que possuem empresas no Brasil e que desejam expandir sua atuação empresarial nos Estados Unidos, o visto R-1 para pessoas que possuem qualificação e que receberam oferta de trabalho em instituições religiosas e o visto O que é reservado a pessoas que possuem habilidades extraordinárias como pesquisadores, atletas, artistas e professores universitários. Existe, ainda, o visto EB-5, para aqueles que tenham patrimônio suficiente para investir de $500 mil a $1 milhão de dólares em um negócio nos Estados Unidos.

Finalmente, explica a advogada, o visto J-1 é um visto pouco utilizado, e é utilizado por pessoas que querem trabalhar nos Estados Unidos por um período temporário como au pairs, por exemplo. O J-1 permite que o portador trabalhe para o seu sponsor de maneira legal por dois anos, e após esse período, o portador deve retornar ao seu país ou pedir autorização do governo americano e do governo de seu país antes de fazer qualquer tentativa de mudança de status imigratório. Para uma lista de entidades que contratam J-1s (sponsors) visite www.j1.state.gov.

Estudar pode ser uma opção
botao menor internoPara ingressar no mercado de trabalho americano como estudante existem alguns caminhos. O mais conhecido e com resultados satisfatórios é cursar uma faculdade ou fazer uma pós-graduação numa instituição americana e, a partir daí, seguir a carreira. Para estudar nos EUA é necessário ter o visto de estudante, o F1. Com esse visto, você tem permissão para estudar e pode fazer um estágio e conseguir uma vaga no mercado de trabalho, mas isso requer tempo e investimento. É importante lembrar que o simples fato de estudar nos Estados Unidos não dá o direito de trabalhar no país durante o período de estudo, salvo em casos aonde a escola contrata o estudante para trabalho para a entidade educacional por no máximo 20 horas semanais. Além disso, ao final do curso (qualquer curso) o estudante tem o direito de pedir o OPT (Optional Practical Training) que permite que o mesmo trabalhe por um ano legalmente nos Estados Unidos para qualquer empregador. Não há garantia que o estudante receberá nenhum tipo de benefício imigratório ao final do período OPT.

Especialista em recursos humanos fala sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos

O consultor de recursos humanos da multinacional Randstad Professionals USA, o brasileiro Patrick Rafael, explica que as áreas mais promissoras para se trabalhar nos EUA hoje são de saúde, tecnologia da informação, contabilidade e finanças (veja quadro). A pesquisa foi feita pela Randstad Professionals que é especializada em recursos humanos.

“Entrar no sistema americano não é tarefa fácil. Além de persistência e motivação, fica mais fácil se o interessado se formar nos Estados Unidos. Assim como a formação acadêmica, é necessária a experiência e muitas empresas oferecem estágio não remunerado que é o primeiro passo para se ingressar na empresa. Aqueles que não estão estudando e não estão qualificados a um estágio, devem buscar cursos especializados, de preferência, os que oferecem colocação no mercado de trabalho” orienta.

O idioma é um grande obstáculo a ser enfrentado. Esse primeiro passo pode ser dado no Brasil com dedicação para aprender o idioma que pode ser aperfeiçoado em cursos de férias no exterior. Para os brasileiros que estão buscando uma vaga, Patrick indica alguns sites especializados em que a maior parte das pessoas procura trabalho.

“Considerando que todos estão legalizados e com permissão de trabalho, os brasileiros formados e com experiência devem preparar um bom currículo, de acordo com os padrões americanos e se inscrever para empregos em sites especializados, entre os mais procurados são LinkedIN, www.cb.com e www.indeed.com. Como a procura por emprego nesses sites é muito grande (alguns empregadores recebem mais de mil currículos para uma vaga), recomenda-se também ir diretamente ao site das empresas e se inscrever por lá”, disse.

Patrick ainda dá dicas para os brasileiros sem formação profissional e sem experiência que podem procurar empregos nos jornais e em sites como no acheiusa.com e craigslist.com. Segundo a Revista Forbes, os top five empregos que não requerem experiência são: controladores de tráfego aéreo, mecânico, consultor financeiro, mecânico de elevadores e na área de transportes. Os interessados podem fazer cursos rápidos para se especializar nessas áreas.

 

Áreas mais promissoras para trabalhar nos EUA

Área de Saúde
#1 Médicos (profissionais de pronto-socorro e cirurgiões plásticos são mais bem remunerados)
#2 Enfermeiros
Farmácia
#3 Farmacêuticos
Tecnologia
#4 Tecnologia da Informação (TI)
#5 Programadores
Área de Contabilidade e finanças
#6 Escriturário de inventários
#7 Responsável por financiamentos
#8 Contadores (impostos, relatórios financeiros)
Área Administrativa
#9 Executivo
#10 Serviço de atendimento ao consumidor
Engenharia
#11 Engenheiros Industriais (processo, qualidade, desenvolvimento e engenheiros industriais tradicionais)
#12 Engenheiros Elétricos e Engenheiros de Hardware

(Fonte: Randstad Professionals USA)
>>>>Texto originalmente publicado pelo jornal AcheiUSA.

 

 

botao menor interno

Bolsas de estudos no exterior para ensino médio e pós-graduação

17 de julho

 

Confira bolsas de estudos com inscrições abertas

Bolsas para ensino médio – Programa Jovens Embaixadores levará alunos do ensino médio da rede pública para um intercâmbio de três semanas nos Estados Unidos. Entre os requisitos para participar, está bom nível de inglês e participação em trabalhos voluntários há pelo menos um ano. Saiba mais pelo website http://www.estudarfora.org.br/programa-jovens-embaixadores-abre-inscricoes/. Inscrições até 9 de agosto.

Bolsas de Pós-graduação – Governo mexicano oferece a estudantes internacionais bolsas de estudo para cursos de especialização, mestrado e doutorado nas mais diferentes áreas em 70 universidades do país. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/mexico-oferece-bolsas-de-estudo-para-pos-em-70-universidades/. Inscrições até 31 de agosto.

Bolsa para pesquisa acadêmica – Fundação Alexander von Humboldt — que promove a cooperação entre acadêmicos do exterior e da Alemanha – concederá bolsas de estudo para um ano de pesquisa na Alemanha. O programa busca profissionais que tenham “notória capacidade de liderança” e trabalhado em áreas como política, economia, administração, mídia e cultura. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/concorra-a-bolsas-de-estudo-para-um-ano-de-pesquisa-na-alemanha/. Inscrições abertas até o dia 15 de setembro

 

Intercâmbio em qualquer idade

Não existe idade certa para fazer um intercâmbio. O importante é estar aberto a novas experiências e ter vontade de explorar o diferente.  Para algumas pessoas, a hora certa para morar fora é aos 16 anos. Para outras, só aos 35. Para outros o grande barato é estar com toda a família. Veja abaixo alguns tipos de intercambio e escolha o que melhor se adequa ao seu estilo.

Intercâmbio na adolescência – Existem programas especialmente pensados para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos.  Geralmente os programas têm duração de uma a oito semanas e acontecem nas férias de final de ano (dezembro e janeiro) e férias escolares de junho, julho e agosto. Os principais destinos são: Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e França.

Intercâmbio em família – Essa modalidade tem despertado cada vez mais interesse de pessoas mais maduras, com filhos e com vontade de explorar outras culturas. Há escolas que oferecem atrações para a família toda, geralmente em período de férias.  Os pais ainda têm a opção de ficarem livres para os passeios enquanto os filhos participam de programações mais atrativos para eles.

Intercâmbio com Idioma e diversão – Escolas em mais de 40 destinos pelo mundo oferecem cursos de idiomas combinados com alguma atividade –como fotografia, tênis, golfe, escalada, ioga, dança, esportes de inverno e outros. Esses programas são ideais para quem quer estudar por um período e fazer uma atividade que goste. É a oportunidade de aprender um idioma de maneira bem diferente.

Intercâmbio idioma e voluntariado – É uma ótima oportunidade para conhecer um país diferente e ajudar outras pessoas. Além disso, o voluntariado tem sido utilizado como critério de seleção por algumas empresas na hora de escolher seus futuros funcionários. O programa costuma sair mais barato que os demais, mas ainda assim o intercambista costuma ter despesas com acomodação, alimentação e transporte –além da passagem aérea.

Intercâmbio idioma e trabalho – Esses são os programas mais procurados nos países onde os brasileiros podem estudar um novo idioma e ter uma experiência profissional. A lista inclui: Austrália, Nova Zelândia e Irlanda. Em todos eles, os alunos precisam adquirir cursos de inglês em escolas qualificadas. O período mínimo varia de 14 semanas a seis meses.

 

Bolsas de estudo no exterior para alunos do Ensino Médio

O projeto United World Colleges (UWC), associação com escolas de Ensino Médio de 14 países diferentes, oferece bolsas parciais e integrais para estudantes. As inscrições para o processo seletivo podem ser feitas pelo site da organização até o dia 9 de setembro. A taxa de inscrição, até o dia 14 de agosto, é de R$ 60. Após esse período, o custo passa a ser de R$ 90.

É necessário ter entre 15 e 18 anos de idade e estar cursando um dos dois primeiros anos do Ensino Médio para participar. Falar inglês é desejável, contudo, não é obrigatório. O processo de seleção envolve 3 etapas. Para o ano escolar de 2015 a 2017 nove brasileiros já foram selecionados. Eles irão estudar na América do Norte, Europa, e Ásia. Eles viajam em agosto de 2015. Outras informações sobre o processo seletivos pelo website http://www.uwc.org.br/processo-seletivo.

Como mochilar no exterior, destinos alternativos e bolsas de estudos

“Mochilar’’ pelo mundo ainda é uma alternativa

 

Quem nunca pensou, pelo menos uma vez na vida, em por uma mochila nas costas e sair pelo mundo? Pois bem, se você é um desses ai vão algumas dicas de países baratos para uma aventura deste tipo.

Vale lembrar que viagens desse tipo exigem alguma preparação tipo roteiro, onde encontrar acomodação barata e coisas do tip. Os países asiáticos ainda são os destinos mais visitados pelos mochileiros.

Confira a lista:

1 – Albânia (Europa).  As principais cidades albanesas são: Tirana, Durres, Elbasan e Shkoder. Todas possuem clima mediterrâneo e são ricas em patrimônios arquitetônicos e culturais.

2 – Costa Rica (America Central). Esse destino da América Central é banhado pelo mar do Caribe e oferece aos turistas dias inesquecíveis.

3 – Índia (Asia).  A Índia é repleta de religiosidade por todos os lados. As principais cidades indianas são: Mumbai (ex-Bombaim), Calcutá, Nova Délhi (capital), Madras e Bangalore.

4 – Indonésia (Asia). O país é o verdadeiro paraíso para os amantes de esportes como surf, mergulho, pesca e ioga.

5 – Nepal (Asia). O ponto mais alto da Terra está lá, com 8.848 metros, o Monte Everest faz parte do Nepal e fronteira com a China, na região do Tibete.

6 – Nicarágua (America Central).  A Nicaraguá é um país conhecido por sua diversidade. As principais cidades são: Manágua, León, Chinandega, Masaya e Granada.

7 – Peru (America do Sul).  O Peru possui muitas belezas e encantos, que vão desde as trilhas para o Machu Picchu, até Lima, a capital.

8 – Sri Lanka (Asia).  O Sri Lanka é uma ilha situada no Oceano Índico. Os maiores destaques do país são as enormes estátuas espalhadas por vários destinos

9 – Tailândia (Asia).  A Tailândia é o destino ideal para mochileiros que procuram um destino rico em cultura, culinária exótica, belezas naturais e localização acessível. As principais cidades são: Bangcoc, Samut Prakan, Nonthaburi, Udon Thani e Hat Yai.

10 – Turquia (Asia). A Turquia possui a mistura perfeita das culturas oriental e ocidental. As principais cidades são: Istambul, Ancara (capital), Esmirna, Adana e Bursa.

 

Universidade alemã oferece educação gratuita para estrangeiros

 

Para quem pensa em alavancar a carreira com um curso no exterior e tem dor de cabeça só em pensar no que vai gastar, ai vai a dica: as universidades públicas alemãs são gratuitas, inclusive para estrangeiros. Isso mesmo, em vez de pagar os cerca de US$ 30.000 (preço médio da anuidade de um curso de mestrado fora do Brasil), o estudante tem que arcar apenas com taxas administrativas, que giram em torno de 300 euros por semestre. Este valor – irrisório quando comparado ao cobrado por escolas de outros países – dá direito ao estudante utilizar o transporte público sem pagar nada a mais.

E para quem procura cursos de pós-graduação há outra boa notícia: as universidades alemãs mais conceituadas oferecem cursos integralmente em inglês. Ou seja, não é preciso sequer comprovar domínio do idioma alemão para estudar lá.

A Freie Universität Berlin (FU) é uma dessas instituições. Lá, há opções de mestrado em inglês nas áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais, Estudos Regionais, Biociências, Ciências Exatas e Medicina, dentre outras.

Seleção – O processo de seleção varia conforme o curso pretendido, mas em geral inclui análise de currículo escolar, prova de proficiência no idioma do curso (inglês ou alemão) e envio de carta de motivação.

video sobre a universidade

website da universidade

 

 

Destinos alternativos para estudar no exterior

Estudante sempre tem pouco dinheiro, por isso tome nota dessas dicas de destinos alternativos no exterior. São lugares onde não custa tanto e o estudante ainda pode aliar o idioma com atividades extracurriculares.

Nos Estados Unidos, a melhor opção é Havaí. Na Europa, a mais econômica opção é Malta. E a asiática Singapura e Nova Zelândia, na Oceania, também são boas alternativas. Um mês de estudo nesses locais alternativos pode sair por cerca de 8 mil reais.

Havaí – O Havaí é ideal para os amantes da natureza e que têm interesse em praticar o surfe paralelamente ao estudo do idioma inglês.

Ilha de Malta – A ilha fica ao sul da Sicília, na Itália. Por sua importância histórica, é bastante procurada por quem gosta de arquitetura e história. É possível ter aulas de inglês em campo e visitar as construções e locações usadas em filmes. Além disso, o inglês de lá é britânico, por isso é uma opção muito mais econômica do que a Inglaterra, na Europa – a economia chega a 40%.

Singapura – No sul da Península da Malásia, Singapura oferece um dos melhores IDH do mundo. Os profissionais e estudantes que mais buscam o local são os de área de tecnologia e mercado financeiro, pois há aulas voltadas especificamente para os dois setores – Singapura é considerada o Vale do Silício asiático.

 

Nova Zelândia – Nova Zelândia é outra opção para quem gosta de ficar em contato com a natureza e praticar esportes radicais.  O dólar do país caiu em relação ao americano, por isso fica ainda mais atrativo aos brasileiros.

 

Americanos aprendem português através de programa de rádio

Eles são alunos da Rutgers University, em New Jersey, e compartilham a paixão pelo Brasil

 

Joselina Reis

 

Entre quase dez cursos de línguas estrangeiras oferecidos pela Rutgers University em New Jersey para preencher a grade escolar, alguns alunos americanos escolheram o Português. Alguns possuem algum tipo de conexão com o país, outros nem longe tem sangue brasileiro, mas a cultura e a língua atraíram a todos a estudarem o idioma e se preparem para conhecer a terra da samba, futebol e povo acolhedor.

 

A professora do grupo de 10 alunos, a jornalista brasileira Daiane Tamanaha, conta que resolveu finalizar o curso com um programa de rádio para `tirar o medo dos alunos’ de se comunicar em Português. ‘Pensei no programa de rádio como projeto final dos alunos do curso que leciono `Elementary Portuguese 102` porque acredito que o mínimo que se espera desses alunos é que consigam se expressar em português, pelo menos em situações cotidianas’’, revela.

 

Os alunos aprovaram a ideia. ‘’ Eu achei muito legal e muito divertido!’’, disse (em Português) o americano de família porto-riquenha, Erio David Perales, de 18 anos.

 

Ele conta que mora próximo a região de Ironbound, conhecida por ter uma grande comunidade brasileira em New Jersey. A proximidade tem ajudando-o a praticar o que aprendeu nas aulas da professora Daiane. ‘’Eu pratico a língua falando com meus amigos brasileiros, escutando música brasileira, e lendo notícias brasileiras. Algumas vezes, eu vou para o Ironbound e falo com as garçonetes nos restaurantes’’, completou (sempre em Português).

 

A Rutgers University é a universidade pública de New Jersey. O curso de português existe desde 1993. As aulas de português acontecem duas vezes por semana. Além do curso de idioma em português, há ainda os cursos de literatura portuguesa.

 

O programa de rádio vai ter 3 edições (cada uma com 30 min), que vão ser transmitidas em breve pela rádio da universidade – Rutgers Radio Station.  ‘’Essa será a primeira vez que a rádio vai transmitir um programa de rádio em português.  O projeto de rádio terá 9 músicas por programa. Músicas de todos os ritmos desde rock, sertanejo, funk e MPB. O programa tem ainda informações sobre a língua portuguesa no mundo e sobre os cursos de português da universidade’’, explica Daiane Tamanaha que chegou aos Estados Unidos em 2010 acompanhando o marido que é pesquisador na Princeton University.

 

Com o Brasil `na moda’ devido a campanha exaustiva na mídia, primeiro sobre a Copa do Mundo, e agora sobre as Olimpíadas, Daiane tem encontrado varias oportunidades para divulgar a língua portuguesa. ‘’Já dei aula na Princeton University, na University of Delaware e agora na Rutgers’’, comemora.

 

Enquanto para alguns o Português parece interessante e estar na moda, para outros é uma questão de manter as raízes familiares.  Matthew Bielasiak, de 19 anos, tem mãe brasileira, consegue entender tudo o que ela fala, mas admite que não tem confiança para se comunicar na língua materna. ‘Minha mãe é do Brasil, e sempre fala comigo em Português. Eu entendo o que ela diz, porque eu fui criado assim, mas ter a confiança para responder em Português foi sempre um problema. Eu sentia falta da educação formal. Decidi participar da classe português porque seria uma ótima maneira de obter créditos para a faculdade e também aprender algo muito útil’’, disse ele (em inglês).

 

Ele também aprovou a ideia de por em prática o que aprendeu em um programa de rádio. ‘O projeto de rádio foi muito divertido. Estar no estúdio foi uma experiência incrível. Acho que foi uma maneira apropriada de terminar a aula, porque tudo foi interessante e divertido. Se eu pudesse faria tudo novamente. Não perderia uma oportunidade’’, lembra ele que planeja em breve visitar a família no Brasil, mas desta vez promete se comunicar na língua oficial da família.

Estudantes brasileiros na UoPeople sonham com um futuro melhor

Eles são brasileiros, trabalham tempo integral e querem mais. José Litiério, de 26 anos, morador no Rio Grande do Norte, e Carlos Gonzaga, de 34 anos, de São Paulo, estão entre os 50 alunos brasileiros da University of the People. Sem condições de frequentar um curso regular em uma instituição brasileira, os dois descobriram a universidade americana pela internet e começaram este ano a trilhar o caminho rumo ao seu curso superior com diploma emitido nos Estados Unidos.

 

 

 

Leia abaixo entrevista com os dois brasileiros.

USAHelp4U: Como foi o processo de seleção, inscrição e início das aulas?


JpegJosé Litiério: O processo de seleção não foi difícil. Basta atender todos os critérios descritos no site da universidade. Eu busquei informações no catálogo e fiz a inscrição pelo website. Gastei aproximadamente R$260 com a tradução dos documentos necessários – o certificado de conclusão do ensino médio e o histórico.  Enviei tudo pelo correio e fui aceito como aluno. Estou em uma turma de inglês, já que não tenho nada que prove minha proficiência no idioma. Eles perguntaram se eu poderia pagar as tarifas para fazer as provas. Como não podia pagar, então me candidatei para uma bolsa, algo que consegui pela Western Union, sou muito grato pela ajuda.

USAHelp4U: Qual sua opinião sobre o estilo de aula, tudo online? Como é o apoio da universidade durante o aprendizado?

 José Litiério: Na minha opinião é tudo muito claro. Você tem que ler os textos e fazer as atividades relacionadas ao tema da semana. Precisa ainda participar dos fóruns ativamente e fazer redações.  Muita gente fala que cursos à distância não são tão proveitosos quanto os presenciais, mas acho que pela profunda forma de avaliação da instituição, esse problema está resolvido na UoPeople. O que mais gosto, particularmente, no método da faculdade, é o ‘feedback’ que é dado pelos tutores nos diários que devem ser enviados semanalmente sobre nosso progresso. Além dos tutores darem a opinião sobre os nossos textos, nós temos que ler os textos dos outros alunos, e também dar esse ‘feedback’, algo conhecido como ‘peer learning’, o que promove a autonomia do conhecimento. Nós nos corrigimos, nós aprendemos uns com os outros em decorrência de críticas construtivas, e da forte interação. Os alunos na universidade levam bastante a sério o que está sendo feito. Nada impossível, tudo dentro dos limites. A universidade conta com uma excelente equipe de aconselhamento para os alunos, as pessoas lá respondem as solicitações com clareza e rapidez.

USAHelp4U: Qual seu objetivo ao concluir o curso com a UoPeople?

 José Litiério: Quero adquirir conhecimentos em administração, matemática e aprimorar meu inglês. Mas estou me surpreendendo, pois aprendi e irei aprender muito mais que isso pelo que vi no currículo das disciplinas que ainda precisarei estudar.

 USAHel4U: O que cursa na UOPeople?

CarlosCarlos Gonzaga: Ciências da computação

USAHelp4U: Como é sua rotina de estudos?

Carlos Gonzaga: A minha rotina é bem agitada, às vezes trabalho até de madrugada, ou viajo e fico alguns dias fora, eu aproveito para estudar no caminho para o trabalho quando estou no ônibus e no metrô, a noite ou em pequenas folgas que eu tenho entre uma atividade e outra na empresa.

USAHelp4U: Qual seu objetivo ao concluir o curso com a UoPeople?

Carlos Gonzaga: Apesar de já estar com 34 anos, eu ainda pretendo cursar um mestrado.

UHSAHelp4U: Porque escolheu a UoPeople?

Carlos Gonzaga: Eu estava decidido a fazer um curso online e estava pesquisando algumas faculdades aqui no Brasil, nos Estados Unidos, no Canadá e na Inglaterra. Até que um dia eu encontrei uma matéria no New York Times dizendo que a UoPeople havia recebido um “accreditation’’. Aí juntou a facilidade de ser online, ser uma instituição reconhecida pelo governo americano e ser gratuita.

USAHelp4U: Na sua opinião o que uma universidade como a UoPeople significa para os alunos brasileiros?

Carlos Gonzaga: Acho que é uma opção muito interessante para pessoas que acreditam que estudar em uma plataforma online é uma alternativa, além de oferecer um diploma emitido por uma instituição internacional. Acredito também que alguns recrutadores aqui no Brasil podem levar em consideração um candidato que tenha estudado dessa forma, pois além das disciplinas relacionadas ao curso, tem também o fato de que essa pessoa praticou bastante o inglês.

USAHelp4U: Você acha que o diploma estrangeiro para te ajudar no Brasil?

Carlos Gonzaga: Eu tenho o desejo de trabalhar em alguma empresa fora do Brasil. Eu acredito que um diploma estrangeiro vai me ajudar, não só no Brasil, mas como também em algum outro país que eu possa tentar alguma oportunidade.

USAHelp4U: Esse será seu primeiro curso superior?

Carlos Gonzaga: Eu já iniciei dois cursos aqui no Brasil, mas fui obrigado a desistir. Um por conta do preço e outra por conta que eu estava sendo reprovado devido as constantes faltas.

Leia entrevista exclusiva com o presidente da UoPeople

botao menor interno

Presidente da UoPeople, Shai Reshef e alunos

Universidade americana oferece curso superior online sem mensalidade e de qualidade

A University of the People já tem mais de 2 mil alunos, apenas 50 são brasileiros

“Queremos mudar o mundo, uma pessoa de cada vez’’, afirma o presidente da University of the People, Shai Reshef que criou a universidade online em 2009 depois que se aposentou. “Eu percebi que tinha tudo e queria fazer alguma coisa para transformar o mundo em algo melhor. A única maneira de fazer isso é através da educação’’, disse o empreendedor em entrevista ao Guia Brasileiro de Intercâmbio na América, USAHelp4U.com.

Ele conta que a receptividade do projeto foi imediata e logo de início teve ajuda de grandes entidades como Microsoft e HP Foundation. Atualmente a universidade tem mais de 2 mil alunos, sendo 50 brasileiros.

A UoPeople (Universidade do Povo, em tradução livre) oferece dois cursos – Business Administration (Administração de Empresas) e Computer Science (Ciência da Computação), mas Shai Reshef tem planos para expandir. “Tudo é um processo longo, não posso dizer quando, mas teremos um MBA e Health Science (Ciência da Saúde) em breve’’, afirmou.

Os dois cursos da UoPeople são credenciados junto ao governo americano e por isso, os brasileiros interessados nos diplomas emitidos pelos Estados Unidos podem requerer a equivalência no Brasil. Pelas regras gerais, eles precisam encontrar uma universidade brasileira que ofereça o mesmo curso e seguir as normas para validação do diploma.

Números

De acordo com a UoPeople –  uma universidade sem fins lucrativos – dos alunos matriculados desde 2009, 72% conseguem ser aprovados no primeiro ano e garantem uma vaga no segundo ano do curso. Pelo menos 100 estudantes já conseguiram o tão sonhado diploma universitário emitido nos Estados Unidos sem sair de casa.

Dos alunos matriculados no curso de Administração, 50% são homens e outros 50% são mulheres, no caso do curso de Ciência da Computação, os números são bem diferentes. Oitenta por cento são homens e apenas 20% são mulheres. “Queremos atrair mais mulheres”, comenta o presidente.

O perfil do estudante é bem diferenciado. Eles estão entre 18 e 82 anos. No início, conta Shai, a grande maioria era formada por adultos que não haviam tido a oportunidade de estudar quando terminaram o ensino médio, hoje a situação está mudando. “Estamos vendo o número de jovens recém saídos do ensino médio procurando a universidade em busca de uma oportunidade. As universidades americanas são caras ou nem sempre eles conseguem uma oportunidade perto de casa”, explica.

Mas os números não param por aí. Dos mais de 2 mil alunos, 50% são americanos, os outros 50% estão divididos entre 151 países, entre eles o Brasil. ‘’Adoraria oferecer nossos cursos para mais brasileiros e se possível em português. Estamos abertos para parcerias’’, adiantou Reshef esperançoso em atingir o mercado brasileiro.

Método de ensino

Shai Reshef, que foi CEO de grandes companhias e ajudou a criar a primeira universidade online na Europa, afirma que estudar na UoPeople não é fácil. “Nós preparamos nossos alunos para assumir uma posição em qualquer companhia do mundo. Para estudar na UoPeople é preciso disciplina, participar ativamente dos projetos e estudar”, garante o empreendedor.

As classes possuem entre 20 a 30 alunos e professores voluntários, sendo eles profissionais de grandes universidades americanas como Oxford e The George Washington University. O aluno pode participar dos grupos de discussão deixando comentários sobre o tópico a ser estudado a cada semana.

Cada disciplina tem duração de 10 semanas e exige 20h de estudo por semana. O aluno estuda de acordo com seu tempo e pode fazer uma disciplina por vez, sendo que as disciplinas são oferecidas cinco vezes por ano. Ao final de cada disciplina ele precisa fazer um teste.

É somente na hora do teste que o estudante precisa pagar alguma coisa. Cada teste custa $100 dólares, somando outros $50 de matrícula, o curso de bacharel em Administração de Empresas com diploma internacional sai por $4 mil, por quatro anos de estudos. Para quem acha caro, a UoPeople oferece o curso técnico de Administração de Empresas e/ou Ciências da Computação por $2 mil, cada um. O curso técnico dura dois anos.

Não há necessidade de comprar livros. Todo o material é disponibilizado online pelos professores. “Não quero que a falta de recursos seja um empecilho para as pessoas estudarem. Por isso, a UoPeople não cobra nada mais além dos $50 de matrícula e da taxa de $100 em cada exame”, conta ele, lembrando que os alunos recebem links de material gratuito online que universidades renomadas em todo mundo disponibilizaram voluntariamente para o público. “Esse material precisa ser utilizado e nós levamos os alunos até eles’’, finaliza Shai.

Vale lembrar que todo o material da UoPeople é disponibilizado em inglês. Os alunos que não comprovarem proficiência na língua através de certificados de testes como o Toefl e IELTS, devem fazer uma disciplina introdutória sobre o idioma. O curso básico de inglês online é oferecido pela universidade ao mesmo preço, $100 o teste, com 10 semanas de aulas. Somente quem for aprovado pode continuar na universidade em busca do seu diploma americano de nível superior.

Leia entrevista com alunos brasileiros na UoPeople

 

botao menor interno

Escola oferece orientação a alunos estrangeiros que queiram ingressar em faculdades nos EUA

O que fazer depois de concluir o curso de inglês? Essa é uma pergunta que muitos alunos estrangeiros fazem ao terminar os cursos de inglês em escolas particulares nos EUA. Geralmente, eles querem saber quais são as etapas de admissão nos cursos de faculdade e universidades americanas e se poderão conseguir uma bolsa.

Todos os meses a Lingua Language Center, escola de idiomas que faz parte do Broward College no sul da Florida, prepara uma palestra explicativa para orientar os alunos que querem continuar nos Estados Unidos. As palestras são gratuitas, abertas ao público, mas as vagas são limitadas.

“Os alunos chegam até a nós com as mais variadas perguntas e dúvidas. Cabe ao orientador procurar as informações e ajudar este aluno de acordo com a realidade entre o que ele quer e o que o mercado oferece’’, resume a orientador Dr. Lourdes Cowgill, membro da equipe de orientadores do Broward College.

Ela conta que, para os alunos internacionais, sem residência fixa nos EUA, as opções de bolsa de estudos e até financiamento estudantil são limitadas, mas existem. “O número de instituições de ensino nos EUA, entre faculdade e universidades, é muito grande. Infelizmente, não existe uma lista completa em um só lugar. O jeito é procurar bastante”, disse.

Neste caso, explicou a orientadora, que diariamente recebe dezenas de estudantes a procura de uma oportunidade para continuar estudando nos EUA, a opção é – 1) ter certeza qual a área de estudos que deseja investir, 2) procurar as faculdades e ou universidades e fazer a inscrição. Entre a papelada que o aluno é solicitado a preencher, sempre existe uma opção de requerer o financiamento para estudantes estrangeiros e ou bolsa de estudos, com base em mérito.

Essas bolsas podem chegar a 100% depende do curriculum vitae (resume) do aluno. É nessa hora que tudo o que estudante fez fora da sala de aula conta pontos valiosos.

Outra dica da orientadora é 3) escolher faculdades e ou universidades que ofereçam variedade nas áreas de estudos. Desta maneira, é possível requerer mudanças e ou começar em cursos menos especializados e traçar uma trajetória até chegar naquele curso tão desejado. “Muitos não sabem que é possível fazer dois anos de curso básico em colégios como o Broward College, muito mais baratos do que universidades, e depois pedir transferência e finalizar a graduação em uma universidade. Isso diminuiu substancialmente, os custos”, disse.

Outra dica da orientadora é 4) procure pela diversidade. Ela conta que as faculdades e universidades americanas adoram diversidade no corpo discente. Dessa maneira, o estudante estrangeiro precisa procurar uma instituição que não tenha tantos alunos da sua origem. Com isso, as chances de ser aceito e até ganhar uma bolsa de estudos são maiores.

Ela também lembra que caso os alunos estrangeiros já tenham iniciado o curso superior em seu país de origem, parte das disciplinas podem ser reaproveitadas nos Estados Unidos. “Em alguns casos, os alunos precisam refazer quase todo o curso superior, em outros, apenas algumas disciplinas, e por último, praticamente nada, só traduzir tudo e pronto! Seu curso tem validade aqui e você pode pensar em voos mais altos’’, explica.

Próxima palestra na escola Lingua Language Center será sobre imigração – mudança de visto de turista para visto de estudante.

Serviço

Lingua Language Center at Broward College

lingua@broward.edu.

225 East Las Olas Boulevard, Fort Lauderdale, 33301

(954) 577.9955

botao menor interno