Estudante internacional pode solicitar autorização especial para trabalho

O caminho não é fácil, o jeito é conhecer as leis e investir nos estudos

 

 

 

Quando Satish Kurapati, de 26 anos, terminou a graduação em sua terra natal, Índia, ele tinha um foco em mente, vir para os Estados Unidos. O mesmo que outras pessoas de sua família e alguns amigos fizeram. E ele sabia também que seriam tempos difíceis, mas ficar no seu país não estava nos seus planos.

 

Com o diploma do curso superior na área de eletrônica em mãos, ele decidiu fazer pós-graduação no Texas. Satish veio para os EUA com visto de estudante, o F-1. ‘’Índia é o segundo país mais populoso do mundo e a pobreza é grande. Não quero voltar’’, garante.

 

Depois de 18 meses de curso no Texas A&M University, em Kingsville, Satish fez o mesmo que seus colegas, solicitou permissão de trabalho ao governo americano e conseguiu. Em 2 meses, seu Optional Practical Training (OPT) estava aprovado. A partir daí, ele precisou procurar uma agência de empregos em busca de uma colocação no mercado de trabalho.

 

Isso aconteceu em março de 2016. O OPT durou um ano e ele solicitou a renovação, que também foi rapidamente aprovada. Agora ele tem até fevereiro de 2019 para trabalhar legalmente nos EUA.

 

Como funciona o OPT

O Optional Practical Training (OPT) é uma forma legal do estudante de pós-graduação (nos EUA esses cursos são chamados de graduate) conseguir trabalho assim que terminar o curso. Para tanto, o estudante solicita ajuda do Designated School Oficial (DSO) da escola para preenchimento do FORM-I765.

 

A resposta vem em no máximo 90 dias. Estudantes de pós-graduação nas áreas de Science, Technology, Engineering and Mathematics (STEM) podem solicitar extensão, assim como Satish fez. Essas áreas são prioridades para o governo americano.

 

‘’Eu posso dizer que 99.99% dos nossos estudantes solicitam o OPT’’, garante Anthony DeNapoli, diretor para assuntos internacionais da Nova Southeastern University, uma das 10 melhores universidades na Flórida. A instituição possui um departamento para ajudar o Graduate estudante a procurar um emprego assim que o OPT é aprovado, mas o estudante também pode, e deve, procurar por conta própria.

O diretor explica que a maioria dos estudantes da área de Business, Tecnologia e Farmácia conseguem emprego  rapidamente.

A universidade possui 1400 estudantes estrangeiros, de 116 países. Desses, 50 são brasileiros. A maioria dos brasileiros estão nos cursos de pós-graduação.

 

 

Durante e após o OPT

Assim que o seu OPT foi aprovado, Satish buscou uma agência de empregos que terceiriza mão obra na área de tecnologia. Hoje, ele presta serviços para uma multinacional na área de seguros no sul da Flórida. “’Sou funcionário da agência. Mas vale a pena ficar aqui’’, confessa.

 

Ele conseguiu o OPT em março de 2016 e em abril de 2017, a mesma agência solicitou o visto de trabalho –  (o famoso, tão sonhado e desejado) H1B, mas a concorrência foi grande demais e ele não conseguiu passar na peneirada do governo. ‘’Ainda tenho a possibilidade de tentar em abril de 2018. Se não der, eu tento outro mestrado em 2019 e ai tentarei o CPT. Mas não volto para a Índia’’, planeja.

 

Ele conta que a trajetória de um amigo serve de exemplo para seu esforço. Seu amigo está nos EUA há 7 anos. Primeiro como estudante visto F-1 no curso de Pós-graduação, depois com a autorização OPT, depois H1-B e, agora, aguarda o tão sonhado Green Card. ‘’Já foi aprovado. A fila é longa, mas é possível’’, diz Satish esperançoso em ter a mesma sorte que o amigo.

 

OPT x CPT

O Optional Practical Training (OPT) pode ser solicitado 90 dias antes do término de um ano acadêmico ou no máximo 60 dias após o fim do curso. O aluno precisa estar matriculado em tempo integral (full time). Cada universidade exige um número mínimo de disciplinas para considerar o aluno como full time.

 

Assim que completar um ano na universidade, o aluno pode solicitar o OPT para trabalho de 20 horas por semana durante o período das aulas, e período integral durante as férias. Quando terminar a pós-graduação, o OPT deve ser alterado para trabalho integral.

 

O Curricular Practical Training (CPT) também é outra alternativa. De acordo com o website oficial do governo americano, o trabalho precisa estar ligado a área de estudos do requerente. Não é exigido que o estudante trabalhe apenas 20h/semana durante as aulas, mas é necessário um acordo com o empregador e a universidade. 

 

Outras opções para trabalho para estudante com visto estudante

Ainda de acordo com o website do governo americano (USCIS), os estudantes estrangeiros possuem as seguintes opções:

 

M-1 Visa – Este é um tipo de visto de estudante para quem está interessado em fazer cursos profissionalizantes. O emprego precisa estar diretamente ligado a área de estudo.

 

Estudante Empreendedor – O governo americano considera empreendedorismo como trabalho. O estudante interessado deve ter o visto F1 e qualificar para o OPT.

 

Para ser aceito em um curso de pós-graduação o estudante precisa apresentar bom ou excelente nível de inglês.

 

Visto de trabalho H-1B para os Estados Unidos

O popular visto de trabalho H-1B para os Estados Unidos (sonho de muitos brasileiros) está cada vez mais difícil de se conseguir. Ele foi criado para ajudar o empregador americano a contratar empregados estrangeiros, mas quem está ficando com a maior parte dos 85 mil vistos disponíveis por ano são empresas de recrutamento e outsourcing, que descobriram como usar o recurso do H-1B sem quebrar as regras de recrutamento estrangeiro.

O visto contempla profissionais estrangeiros de alta especialização e curso superior, a maioria no setor tecnológico.  De acordo com uma reportagem publicada no jornal The New York Times, a maior parte dos pedidos de H1-B começam a ser apreciados depois de passarem por uma espécie de loteria, e companhias de recrutamento internacional inundam o sistema com pedidos, diminuindo significativamente as chances de seleção para o candidato comum.

Antigamente, um empregador americano poderia conseguir esse tipo de visto para um trabalhador estrangeiro a hora que quisesse. Nos últimos anos, entretanto, as coisas mudaram. As empresas de recrutamento e outsourcing entram com dezenas de milhares de pedidos assim que a imigração abre as inscrições para o H-1B. As inscrições para o visto abrem no dia 1 de abril e são na base do ‘leva quem chegar primeiro’. Depois desse prazo, fica muito difícil conseguir uma aprovação.

Das 20 companhias que receberam a maioria dos H-1B em 2014, 13 eram empresas de recrutamento global, de acordo com a reportagem do NYT. Elas ficaram com 40% dos vistos disponíveis (cerca de 32 mil), enquanto 10 mil outros empregadores dividiram o restante deles. Cerca de metade das aplicações do ano fiscal de 2014 foram rejeitadas porque ficaram de fora da quota.

Entre os tipos de vistos de trabalho oferecidos pelos Estados Unidos, o H-1B sobressai pelas suas regras peculiares. A quota anual é de 65 mil vistos para estrangeiros aplicando pela primeira vez.

Estrangeiros que fazem pós-graduação em universidades americanas tem mais uma chance. Eles ficam com 20 mil vistos restantes designados só para eles.

A demanda pelo visto tem explodido nos últimos anos. Desde 2013 que o governo é obrigado a usar o recurso do sorteio para a seleção. Este ano, 233 mil aplicações foram submetidas em apenas sete dias, e dois terços delas foram negados por chegarem depois de ultrapassada a quota de 85 mil.
Fonte: AcheiUSA

botao menor interno

 

As semelhanças e diferenças entre os vistos L1 e H1B para os Estados Unidos

Por Attila de Andrade

Advogado

Há uma crescente busca de vistos L1 and H1B por conta do incremento das relações comerciais entre o Brasil e os EUA. Todavia, esses vistos têm se confundido na prática diária do processamento de vistos. A primeira semelhança entre os dois tipos de vistos consiste em que ambos se referem a um pedido de permanência temporária nos EUA.

Segundo, o solicitante ao visto não precisa comprovar laços com o país da empresa contratante do executivo ou empregado. Terceiro, ambos permitem o pedido de “premium process”. Mediante o pagamento de uma taxa ao Departamento de Imigração, a resposta ao visto pode ser concedida mais rapidamente.

As diferenças são as seguintes. O visto L1 é o que concerne ao pedido de uma empresa de um funcionário para uma subsidiária americana dessa empresa. Por exemplo, a empresa brasileira contrata um executivo para trabalhar na sua subsidiária americana. O funcionário em questão, deverá comprovar um vínculo empregatício anterior de no mínimo 1 (um) ano com a empresa brasileira. Por sua vez, a empresa brasileira deva comprovar que exista há algum tempo, mediante balanços e comprovante de rendimentos tributados no Brasil. Isto tudo para evitar qualquer tentativa fraudulenta a respeito da empresa brasileira contratante.

Já no caso do visto H1B não precisa ser uma empresa brasileira, a contratante. Pode ser uma empresa americana contratando um funcionário estrangeiro, por exemplo um cidadão brasileiro. Esse visto é mais complicado porque a empresa americana contratante do executivo ou funcionário estrangeiro deva fundamentar e comprovar que o tipo de “expertise” do funcionário estrangeiro contratado não exista nos EUA (o que obviamente é muito difícil). Ademais apenas um número determinado de vistos H1B é reservado ao ano para aprovação. Portanto o visto H1B é mais dificil de se obter do que o visto L1.

Há certas classes trabalhadoras onde há uma certa facilidade para concessão de vistos H1B. Geralmente são classes onde haja uma escassez de profissionais nos EUA. É o caso por exemplo, de enfermeiras qualificadas. Sabe-se que milhares de enfermeiras tem sido premiadas pela concessão de vistos H1B contratadas por hospitais americanos. Esse tipo de profissionais muda de ano a ano, dependendo das condições de trabalho prevalentes nos EUA.

Outra grande vantagem dos vistos L1 e H1B, dependendo das circunstâncias, caso a caso, ambos possam depois de algum tempo, conduzir o solicitante ao pleito do chamado “green card”, ou seja o visto de residência permanente. Esse atende particularmente às enfermeiras estrangeiras a quem tenha sido concedidos os vistos H1B.

Qualquer dúvida sobre vistos entrem em contato com o advogado brasileiro Atila Andrade pelo email ….. attilandradejr2013@gmail.com.

 

botao menor interno

 

 

 

Artigo publicado originalmente pelo jornal AcheiUSA.

EUA começam a aceitar pedidos para visto de trabalho

Visto de trabalho é bastante disputado pelas empresas e quotas disponíveis costumam acabar em poucos dias
A partir de 1º de abril o USCIS, o serviço de imigração dos Estados Unidos, vai aceitar pedidos para o visto de trabalho temporário H-1B para o ano fiscal de 2016. O visto é usado pelas empresas americanas que buscam profissionais estrangeiros com alta especialização.

O número limite para emissão, determinado pelo Congresso, é de 65 mil vistos, com os primeiros 20 mil reservados para indivíduos com mestrado ou graduação maior em universidades americanas.

O USCIS espera que o número de pedidos ultrapasse o de vistos disponíveis já nos primeiros cinco dias de abril. O departamento vai monitorar os pedidos e informar ao público quando o limite for alcançado. Se o número foi ultrapassado, um sistema de sorteio vai ser usado para selecionar aleatoriamente as petições que serão usadas para os vistos disponíveis. O departamento não vai mais aceitar petições depois que o limite de 65 mil for alcançado. O mesmo sistema foi usado no mês passado.

As empresas interessadas em peticionar por invíduos qualificados para o H-1B devem seguir todos os requerimentos estatutários para entrar com o pedido, e responder a eventuais pedidos de evidências.

Para mais informações sobre o visto de não-imigrante H-1B, visite a página do serviço de imigração americano, uscis.gov, ou ligue para o Serviço de Atendimento do departamento, 1-800-375-5283.

Depois de aprovado, o candidato deve fazer uma entrevista na embaixada americana de seu país de origem. A entrevista é em inglês. Geralmente, o processo é finalizado entre outubro e novembro do mesmo ano.

Fonte: AcheiUSA

botao menor interno

Os tipos de vistos que os brasileiros podem requerer nos Estados Unidos

Por Attila Andrade

Advogado

attilaandradejr@yahoo.com

 

Vamos considerar neste artigo os principais vistos que os brasileiros podem requerer nos EUA para que possam residir legalmente neste país. Há dois tipos genéricos de vistos: o visto de residência temporário e o visto de residente permanente. Vamos estudá-los nessa mesma ordem de apresentação.

Os vistos de residência temporário são o L1 e o visto H1B. O visto de residência temporário L-1 consiste em enviar uma pessoa vinculada a uma empresa brasileira que venha a ser transferida para trabalhar numa filial ou subsidiária americana dessa mesma empresa brasileira. O visto L1 se subdivide em L1-A e L1-B.

No visto L1-A se destina a empregados da empresa brasileira que venha trabalhar na empresa americana filial ou subsidiária da empresa brasileira na capacidade de diretor ou gerente. Ele há que demonstrar que está na companhia há mais de um ano nos últimos três anos precedentes ao pedido. Já no visto L1-B se refere a posições de empregados técnicos, com especialização e deverão preencheer os mesmos requisitos do visto L1-A, ou seja, venham trabalhar nas mesmas funções técnicas em que estavam trabalhando na empresa brasileira há mais de um ano, nos três últimos anos precedentes.

Aqui é preciso ter-se muito cuidado. Não adianta constituir-se uma empresa de papel no Brasil para tentar o L1-A ou B. O departamento de imigração vai exigir um histórico que compreende não somente a parte jurídica da constituição senão os balanços dos últimos 3 anos de funcionamento, prova de que a empresa brasileira tenha vinculação societária pertinente com a empresa americana para a qual o funcionário esteja sendo transferido e o quadro organizacional de funcionários da empresa brasileira.

Outros documentos importantes são o contrato de locação do estabelecimento americano e finalmente o contrato de trabalho ou a carta especificando as funções que o empregado irá desempenhar na sociedade americana. Finalmente, panfletos com material de marketing, especificando os produtos a serem fabricados e vendidos. Com isso se veda qualquer possibilidade de fraude para obtenção do L1.

Finalmente há que se ressaltar que o visto L1 é temporário. É necessário definir-se quanto tempo o profissional, seja na área gerencial ou diretiva, seja na área técnica de especialização será necessário na filial ou subsidiária americana. Esse tempo vai balizar o tempo de concessão do visto L1.

O outro visto temporário é o visto H-1B. Este tipo de visto se destina a trazer empregados para trabalhar para uma empresa americana por tempo determinado (esta empresa não precisa ter qualquer equivalente ou vinculação com uma empresa brasileira). Há vários requisitos: (1) a função a ser desempenhada pelo empregado há de ser condizente com a experiência curricular-acadêmica do solicitante.

Assim, um engenheiro não pode vir trabalhar numa função que não seja a de engenheiro. (2) há que existir um contrato de trabalho entre o profissional que está sendo contratado e a empresa que o está contratando. (3) há que ser uma função ou especialidade que não possa ser preenchido(a) por um profissional já residente nos EUA. Ou seja esse tipo de visto não pode representar perdas de oportunidades de trabalho para americanos ou residentes nos EUA.

Para isso, fazem-se algumas publicações em periódicos para saber se a vaga não possa ser preenchida por aqueles. Finalmente convém-se dizer que esse tipo de visto está cada vez mais difícil de ser obtido ou concedido. Há anualmente apenas 65.000 vistos a serem concedidos nesta tipificação H-1B.

Outro tipo de visto para residência temporária é o visto O1 . Este visto é concedido para pessoas de extraordinária habilidade ou conhecimento. Geralmente é concedido para cientistas, artistas e atletas com extraordinárias habilidades e reconhecimento em seu campo de atuação. Este visto também é analisado com muito rigor. É necessário que seja uma pessoa realmente reconhecida como excepcional em seu campo de trabalho. Normalmente concede-se a quem tenha recebido um prêmio Nobel ou prêmios nacionais de reconhecida reputação.

Na área acadêmica, preve-se para profissionais com inúmeras publicações de livros e trabalhos de reconhecida reputação nas respectivas áreas. Ou seja, não são profissionais de apenas talento, senão pessoas absolutamente extraordinárias de reconhecimento nacional e/ou internacional que farão parte deste distinto grupo de solicitantes ao visto O1.

Finalmente o outro tipo de visto de residência temporária é o visto E-2. O primeiro visto de que trataremos é o visto E-2 que dará direito ao solicitante de permanecer nos EUA até 5 anos, desde que preenchidos os requisitos básicos aqui identificados.

Em primeiro lugar, requer-se um investimento mínimo de US$100,000 (cem mil dolares) num negócio a ser constituído ou já existente. O negócio deve ser comercial/industrial e deverá ser sobretudo financeiramente viável. Entenda-se assim que a viabilidade estará pautada pelo requisito de que o negócio possa gerar mais do que o necessário para o imigrante e sua família subsistirem nos EUA.

Por exemplo, nessa categoria, seria admissível um investimento num restaurante ou qualquer outro negócio existente ou por existir. Portanto, nada de negócio virtual ou empresa de fachada e coisas do gênero. Há que ser um negócio real de natureza comercial ou industrial. Ainda com referência ao visto E2 , a origem dos fundos há que ser obviamente lícita.

Os recursos do investimento podem estar no exterior ou mesmo nos EUA, mas devem ser sempre previamente comprovados. Após o período do visto, o visto E2 poderá ser renovado desde que comprovado o êxito do investimento originário ao qual se vinculou o primeiro pedido. Todavia este tipo de visto infelizmente não alcança aos brasileiros, pois requer-se se referir a cidadãos cujos países tenham tratados com os EUA e o Brasil não é um desses países.

Todavia, a Itália é um país com tratado. Assim cidadãos brasileiros com dupla cidadania, por exemplo, poderão requerer esse tipo de visto desde que o façam como cidadãos italianos.

Vamos agora examinar um tipo de visto relativamente recente que tem gerado muitas dúvidas. Trata-se do visto EB-5 que outorga direito ao solicitante, se aprovado o visto, de permanecer nos EUA em caráter permanente, ou seja na qualidade de “residente permanente”.

Há duas subespécies ou categorias do visto EB5. Há o visto a ser concedido pelo investimento do imigrante estrangeiro em que se requeira um investimento mínimo de US$500,000 . Chamemos este tipo de visto (apenas para efeitos de classificação e do nosso artigo), de EB5 ( categoria A) . No visto EB5 “categoria A” requer-se um investimento relativamente modesto.

Convenhamos, é o produto de venda de um apartamento no Rio ou em São Paulo, de três quartos! Todavia aqui há um “macete”. O imigrante, solicitante deste visto, não poderá escolher onde colocar seu dinheiro… ou seja existem já pré-qualificados em diversos pontos do território americano, diversos projetos de interesse do governo americano em promover. São os chamados “designated Regional Centers”, ou seja, “Centros Regionais designados”.

Geralmente, áreas onde há um nível grande de desemprego sob a ótica do governo dos EUA ou ainda em áreas em que os EUA tenha interesse de promover o crescimento econômico. Sem prejulgar, mas o leitor poderá conceber que são investimentos de maior risco. O raciocínio é simples e lógico. Se há uma área onde já pré-exista um nível grande de desemprego, talvez porque a área a desenvolver não seja lucrativa… e portanto oferecendo a possibilidade do imigrante de investir um valor menor, mas em contrapartida, fazendo que o investidor assuma um risco maior; “obrigando-o” ( por assim dizer) , a colocar seu dinheiro num tipo de investimento em que normalmente ele/ela não o faria em primeiro lugar.

O segundo visto , em meu julgamento é mais interessante. Digamos o visto EB 5 (vamos chamá-lo de “categoria B “). Neste, requer-se um investimento bem maior, ou seja, US$1 milhão de dolares, mas em contrapartida, admite-se que o solicitante ao visto tenha plena liberdade de escolher onde investir seu dinheiro.

Poderá ser um investimento comercial ou industrial já existente ou por existir. Aqui como em todas as espécies de vistos EB, a origem dos fundos deve ser comprovada e ser absolutamente legítima. Aqui como nas demais espécies de visto EB, o pleiteante deverá estar munido de um plano de negócios, um plano de marketing e de viabilidade micro-econômica. Um ponto igualmente importante em todas essas espécies de visto EB aqui considerados será a capacidade do investimento estrangeiro nos EUA de gerar empregos.

Assim, quanto maior a geração de empregos nos EUA através do projeto de investimento EB, maiores as chances dele ser aprovado e assim possibilitar ao solicitante a concessão do visto.

Texto originalmente publicado no jornal AcheiUSA.

 

botao menor interno

Conheça os oito passos para trabalhar como enfermeira (o) nos EUA

Esses oito passos podem levar de alguns meses até um ano para serem alcançados, depende de cada professional e se ele está qualificado. O ideal é buscar apoio e informação no website abaixo e com profissionais da área de imigração.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

 

 

 

Veja o texto completo em inglês no endereço abaixo: http://www.discovernursing.com/steps-for-foreign-educated-nurses

Os oito passos para trabalhar como enfermeira (o) nos EUA:

1) Ser formada (o) no Brasil em uma faculdade reconhecida pelo MEC. Ser registrada junto ao seu conselho profissional
Ter experiência de no mínimo dois anos . Alguns estados americanos exigem que o professional faça um curso de 120 horas de atualização e faça um estágio de 120h em um hospital ou clinica sob a supervisão de um enfermeiro formado nos EUA.

2) Boa nota em um exame de inglês (TOEFL ou IELTS)

3) Passar no teste do Conselho Nacional de Enfermagem dos EUA

4) Se cadastrar junto a uma agência de emprego para enfermeiros. A agência vai ajudar a conseguir emprego, visto de enfermeiro e posteriormente o green card

5) Solicitar seu visto de enfermeiro

6) Passar na entrevista da imigração

7) Aceitar o trabalho que a agência indicou e fazer o exame médico provando que está apto ao trabalho

8) Fazer um curso de ressuscitação de pacientes (os feitos no Brasil são válidos desde que a escola seja uma afiliada ao American Heart Association)

 

botao menor interno

 

 

 

Como conseguir visto de trabalho nos Estados Unidos

Saiba como funciona o visto H-1B, conhecido como visto de trabalho, nos EUA, como solicitar e quem pode te ajudar

Muitas pessoas querem saber como podem requerer um visto H-1B, conhecido como visto de trabalho. Por isso, nós fizemos um apanhado das notícias divulgadas dentro da comunidade brasileira para saber como funciona o visto de trabalho nos Estados Unidos e, por enquanto, o que temos é isso:

  1. - o visto H1-B é reservado para profissionais especializados, eles podem candidatar-se todo ano a partir do dia 1º de abril, mas para isso é preciso que uma empresa interessada em contratá-lo assine o pedido formal de visto;
  2. - o órgão nos Estados Unidos responsável por avaliar o pedido é o USCIS (United States Customs and Immigration Service);
  3. - o empregador precisa pagar taxas, em 2014, o valor foi de $1500, se o funcionário for o responsável por contratar um advogado para preparar toda a papelada são outros $2500 a $3000;
  4. - nos últimos anos o USCIS tem emitido no máximo de 65 mil H1-B, visto bastante popular entre os profissionais de tecnologia;
  5. - as empresas de tecnologia ou grandes empresas pagam uma taxa extra para que o pedido seja avaliado com preferência;
  6. - nos últimos anos o número de pedidos tem sido bem superior ao número de vistos concedidos, por isso há um sorteio dos vistos, se você for sorteado e sua documentação estiver 100% correta, você conseguirá o visto, não existe segunda chance – se a documentação estiver incompleta você está fora, o USCIS não enviará carta pedindo mais documentos, provas ou etc;
  7. - geralmente no dia 1° de abril, ou no dia anterior, os advogados das empresas que querem contratar funcionários estrangeiros já começam a enviar os pedidos, assim que o USCIS contabilizar 65 mil processos em mãos, o órgão divulga que em seu site que não receberá mais pedidos. Geralmente isso ocorre já na primeira semana. Em 2013 e 2014 os vistos acabaram em menos de uma semana;
  8. -no entanto se você é um profissional altamente qualificado, em posse de um diploma de doutorado você entra em outra categoria, aí são outros 20 mil vistos;
  9. - no final do mês de abril, o USCIS divulga, através de uma carta para seu empregador, que seu processo foi selecionado, legalmente você só poderá começar a trabalhar para aquela empresa apartir do mês de outubro do ano que você requereu o visto;
  10. - um sistema controlado por computador escolhe aleatoriamente os 65 mil pedidos que serão processados pelo USCIS, os que não entrarem na cota o departamento devolve o dinheiro das taxas para pagas pelos empregadores; se você pagou um advogado para fazer o processo as taxas do advogados não são devolvidas;
  11. - se o trabalhador já tem um visto H1-B e só precisa renovar, pedir extensão, mudar termos do contrato ou mudar de empregador – ele não entra nessa loteria;
  12. - geralmente as companhias americanas usam o visto para contratar trabalhadores estrangeiros com alta especialização em áreas como ciências, engenharia e programação de computadores;
  13. - se você conseguir o visto de trabalho H1-B, o que geralmente vale por seis anos, antes do visto vencer você pode solicitar o seu green card ;
  14. - lembre-se passaportes de outros países não dão o direito de você trabalhar nos EUA;
  15. - se sua empresa em seu país de origem quer enviá-lo como representante nos EUA, isso é outro tipo de visto.
Se você ainda tiver alguma dúvida não esqueça de enviar um email com perguntas, vamos tentar responder na medida do possível. As informações contidas nessa blog são meramente informativas e não constituem aconselhamento jurídico.
 
USAHelp4U
**informação certa já é metade do caminho**
botao menor interno