Governo Americano Estuda Aumentar as Taxas para visto F-1

Governo americano estuda aumentar as taxas para estudantes internacionais

Taxas estão estagnadas desde 2008, mas novos valores ainda não estão em vigor

 

O governo americano estuda a possibilidade de aumentar as taxas para obtenção do visto de estudante F-1. Ainda não há data para que o valor entre em vigor e nem há certeza dos novos preços. A nova taxa deve ajudar a suprir as necessidades administrativas do Student and Exchange Visitor Information System (SEVP), órgão federal responsável pelo controle das escolas credenciadas e pela administração de dados dos estudantes estrangeiros.

As taxas estavam congeladas desde 2008. O SEVP é mantido somente com as taxas impostas `as escolas e estudantes internacionais. Segundo o governo, há uma defasagem de pessoal e uma necessidade de investir na investigação de fraudes cometidas por escolas.

A nova medida ainda não está em vigor, e o governo abriu espaço em seu website para que o público comente sobre o assunto. A data limite para recebimento de críticas e sugestões encerra-se no dia 17 de setembro. Os interessados devem procurar o website https://www.regulations.gov/ para obter informações de como enviar sugestões para o governo. Comentários devem ser enviados com o número da proposta – Docket No. ICEB-2017-0003.

Para tanto, o leitor precisa apenas inserir o número de Docket acima no campo de busca. Uma segunda tela irá aparecer com o texto sobre o documento emitido pelo Immigration and Customer Enforcemente Bureau (ICEB). Na parte direita inferior, clique em ‘’comment now” e deixe deu recado.

Novos valores

A proposta solicita que as escolas passem a pagar $3 mil dólares para sua certificação, o valor anterior era de $1700 dólares.  A novidade é uma nova taxa para as escolas que precisam ser recertificadas, agora elas teriam que pagar pelo processo, o valor estudado é de $1250 dólares, em caso de apelação de processos negados, a escola teria que pagar $675 pelo formulário I290B.

O preço da inspeção da escola continua o mesmo, $655 dólares.

Os formulários I-901 para vistos F e M, usados por estudantes estrangeiros, passaria de $200 para $350 dólares. Enquanto isso, o mesmo formulário I-901 para vistos J, passaria de $180 para $220.

A taxa de $35 para o formulário I-901 para o visto J usado por au pairs, camp counselors e trabalho de verão será mantida.

 

Oportunidade

A possibilidade de deixar comentários, sugestões e críticas é uma ótima oportunidade para os estudantes e futuros estudantes estrangeiros solicitarem do governo mais oportunidades para os estudantes estrangeiros. Os portadores do visto F1 só podem trabalhar durante as férias e no campus da universidade. A outra opção é solicitar um OPT (Optional Practical Training) quando terminarem o curso superior.

Os alunos em curso de inglês, com o visto F1, não tem autorização para exercer atividade remunerada nos EUA. “Se o estudante pudesse trabalhar pelo menos 20h por semana seria um atrativo muito grande para que a gente viesse para os EUA.  Ajudaria no orçamento e a praticar a língua no dia a dia”, disse a estudante Marcela Monteiro, do Pernambuco.

 

Números

Nem mesmo a crise brasileira tem afastado os estudantes de conquistar o tão sonhado diploma em uma Universidade Americana. De acordo com o relatório anual do Student and Exchange Visitor Information System (SEVIS) o número de estudantes internacionais vindos da América do Sul cresceu 4,3% entre Março de 2017 e Março de 2018, e quem mais enviou estudantes foi o Brasil. O número de estudantes brasileiros cresceu 13,1%.

A América do Sul ganhou da Austrália – 3,3% de aumento e África, 1,4%. As outras regiões, Europa, América do Norte e Ásia tiveram números negativos, -1,1%, -1,7% e -0.8% no período da pesquisa.

O único país da América do Sul que registrou diminuição no número de estudantes enviados aos Estados Unidos foi a Venezuela, com 8,7% a menos.

No total geral o número de estudantes com visto F1 entre Março de 2017 e Março 2018 caiu apenas meio por cento, passando de 1,208 milhão de estudantes para 1,201 milhão em Março 2018. Já o número de estudantes para o visto J1 aumentou mais de 4 por centro, subindo de 201,4 mil para 209,5 mil.

 

info@usahelp4u.com

 

 

 

 

 

Bom, bonito e barato. Veja lista dos melhores albergues para hospedagem ao redor do mundo

A velha história de que albergue – hoje mais conhecido como hostel – é lugar de mochileiro, onde as instalações são simples, os lugares sem graça e onde tudo é compartilhado. Caiu por terra. Os jovens ainda preferem este tipo de acomodação, onde a vida comunitária é considerada parte fundamental das viagens, mas gostam que unir o melhor dos hostel  – preço e interação – com as comodidades dos hotéis cinco estrelas.

Geralmente quem gosta desse tipo de acomodação é estudante em intercâmbio que viaja de um lugar para o outro durante o intervalo de aulas. No entanto, os albergues estão abertos para todas as idades e viajantes.

Aqui vai uma lista 8 hostel do tipo bom, bonito e barado espalhados pelo mundo. Agora é só marcar as passagens!

1 -“Yha Castleton Losehill Hall” – Castleton, Reino Unido.

2 – “HOME” – Lisboa, Portugal

3 – “The Bowery House” – Nova York, EUA

4 – “Kex Hostel” – Reykjavik, Islândia

5 – “Plus Hostel” – Berlim, Alemanha

6 – “Granada Inn Backpackers” – Granada, Espanha

7 – “Hostel Equity Point” – Marrakech, Marrocos

8 – “Gilligan’s Backpackers Hotel and Resort” – Cairns, Austrália

 

botao menor interno

Passagem de ônibus a $1 de Fort Lauderdale para Orlando

Aí vai uma boa dica de viagem para Orlando. A empresa britânica Megabus que já faz o destino Miami-Orlando-Tampa, agora também vai oferecer a linha Fort Lauderdale-Orlando-Tampa. O carro-chefe da empresa são as passagens a $1. Para conseguir o preço promocional, o cliente precisa ficar atento as datas, horários e itinerários. Marcar com antecedência também é um meio de conseguir a viagem a $1.

Os ônibus de dois andares oferecem internet, cinto de segurança como os de carros de passeio e lugares para cadeirantes. A linha de Fort Lauderdale-Orlando-Tampa sairá da estação Tri-Rail (2900 Sheridan Street) e estará disponível a partir do dia 7 de agosto. A viagem vai durar 4 horas até Orlando e mais uma hora para chegar em Tampa. Os preços regulares por trecho custam $18.

A outra opção para quem quer ir de Miami a Orlando é a empresa de turismo Alltour of America. Os preços variam de $35 (ida) ou $60 (ida e volta) com paradas em Kissimee, Fort Pierce, West Palm Beach, Pompano e Hollywood. Para mais detalhes sobre a venda de passagens do sul da Flórida para os destinos que a Megabus e a Alltour servem acesse os websites www.megabus.com e www.alltourbusline.com.

botao menor interno

Fonte: AcheiUSA

Community Colleges nos Estados Unidos também oferecem cursos de inglês

diploma

 Os cursos de inglês nos Community College nos Estados Unidos são muito bons, mais avançados do que uma escola de inglês comum. Porém, são diferentes dos oferecidos por escolas de idiomas.  Em uma escola de inglês o aluno faz o General English e decide quantas semanas quer fazer. Dependendo da escola custa  cerca de  $1200 por mês, de segunda a sexta-feira com aulas das 9am às 1pm. Tem escola mais barata e mais cara, depende da localidade e da qualidade. O sistema de ensino é como as escolas de inglês no Brasil.  Os Community Colleges funcionam de outra maneira.

No Broward College em Davie, Flórida, por exemplo, funciona da seguinte maneira: são oferecidas aulas de SPEAKING/LISTENING I, II e II ; ESL READING I, II e III; ESL GRAMMAR/WRITING I, II e III;  e outras de aulas de redação (composition) e comunicação (comunication).

São aulas que fazem parte da grade escolar de cursos profissionalizantes e cursos de graduação que o BC oferece, por isso cada aula dessas equivale a 3 créditos (*). Os créditos são adicionados ao seu curriculum escolar, assim como as outras disciplinas especificas do seu curso, visando a sua graduação em dois ou quatro anos.

Os alunos estrangeiros fazem primeiro um teste de nivelamento para definir em que aula ele deveria ser matriculado. O mesmo aluno pode ser matriculado em diferentes níveis de cada disciplina – frequentado, por exemplo, Speaking I, Reading II e Grammar III.

Cada aula dura, no verão, de 6 a 14 semanas, no resto do ano geralmente são 6, 12 ou 16 semanas.  Se o aluno não for aprovado, ele precisa refazer a disciplina.

Os encontros são semanais de 2 a 4 dias por semanas. Algumas aulas são realizadas terças e quintas-feiras, outras de segunda à quinta-feira. Dependendo da aula, o aluno pode escolher entre turmas matutinas ou noturnas. A duração de cada aula varia de 1h35 minutos a 3horas e meia.

 
Por exemplo:
Aula/disciplina: Speaking/Listening I

Duração: 12 de maio a 10 de agosto de 2014

Horário: 12pm às 1:50pm

Dias: terças e quintas-feiras

Local: Campus North

Valor: $337,70 para moradores do estado e $1.109,00 para estrangeiros.

 

 

Aula: ES Reading I

Duração: 12 de maio a 23 de junho / ou 23 de junho a 10 de agosto de 2014

Horário: 10am – 1:50pm ou 6pm-7:50pm

Dias: de segunda a quinta-feira

Local: oferecida em vários campi

Valor: $337,70 para moradores do estado e $1.109,00 para estrangeiros.

 

Alguns communities colleges oferecem cursos livres em várias áreas, entre elas cursos de idiomas. Geralmente são chamados de Continuing Education (Educação Continuada). O BC oferece cursos de redução de sotaque e inglês avançado. Esses cursos duram dois meses com encontros uma ou duas vezes na semana, ideal para quem quer já está estudando inglês e quer dar ênfase em alguma área. Valores de $165 a $355.

 

Caso: Yahia é um estudante de Oman (Oriente Médio). Ele chegou à Flórida em novembro de 2013 para um curso de General English em uma escola de idiomas em Fort Lauderdale. Nós fomos sua host Family por aqui. Seu objetivo nos EUA era fazer o curso de Técnico em Administração de Aeroportos. Após algumas pesquisas ele encontrou o curso no Broward College.

Eu fui sua intérprete na reunião ocorrida em dezembro de 2013 com a responsável pela admissão de alunos internacionais. Yahia queria transferir seu visto de estudante da escola de idiomas em Fort Lauderdale para o BC, começar as aulas de inglês no BC o mais rápido possível, e paralelamente, dar início ao seu tão sonhado curso técnico.

A responsável pela matrícula de alunos internacionais explicou que:

  • há datas para o envio da documentação;
  • se ele quisesse começar as aulas em janeiro ele deveria ter enviado a documentação em outubro do ano anterior;
  • provavelmente ele não poderia entrar direto em nenhuma disciplina específica do curso técnico porque ele precisaria primeiro estar fluente no inglês;
  • antes de frequentar as aulas de inglês ele precisaria fazer um teste de nivelamento;
  • por ser um estudante internacional ele precisaria comprovar que tinha recursos para pagar todo o curso ($25 mil);
  • o visto de estudante que ele tinha no momento estava ligado a atual escola de inglês em Fort Lauderdale, por isso, se ele decidisse abandonar a escola para cursar aulas de inglês no BC seu visto provavelmente seria cancelado e ele ficaria ilegal.

Em resumo, Yahia pretendia começar aulas do curso técnico no BC em janeiro, mas vai ter que esperar até o verão deste ano para dar início as aulas de inglês no BC. Ele, provavelmente deve começar alguma disciplina do curso de administração em 2015. Tudo isso porque veio para os EUA sem a informação correta.

(*) Leia o post “Entendendo o sistema de ensino na pós-graduação nos Estados Unidos” para saber mais sobre community colleges e universidades nos EUA

USAHelp4U
**informação certa já é metade do caminho**
botao menor interno

Alternativas de telefonia celular nos Estados Unidos para imigrantes

Como no Brasil, as operadoras de telefonia celular nos Estados Unidos oferecem duas opções: contrato ou pré-pago. . Na opção, por contrato, os aparelhos podem ser adquiridos por preço bem baixo, mas o contrato mínimo é de dois anos, depende da promoção do momento. O cliente recebe a conta mensalmente e, se o cliente quebrar o contrato, a multa é alta. O outro problema é que 99% das companhias exigem comprovação de endereço e SSN (social security number), o CPF americano. Para quem não gosta da ideia de assinar contrato, ou não pode, a opção é comprar pré-pago.

Concurso 2019 de Bolsas de Estudos nos EUA

 

As opções de companhias, pacotes e aparelhos são inúmeras. Para quem está chegando e pensa em como vai ligar para a família no Brasil e amigos nos Estados Unidos, ai vão algumas dicas:

1)    Há dois tipos de tecnologia, a GSM e a CDMA;

2)    Um celular de tecnologia CDMA não tem o SIM card (o cartão SIM que contém todos os seus números de telefone); se o aparelho quebrar você só vai poder comprar outro que a sua companhia permitir; geralmente você compra o celular com o número de telefone e esse número pertence aquele aparelho; em caso de troca de operadora, algumas aceitam o mesmo número outras não;

3)    Um celular de tecnologia GSM – muito popular nos EUA. Esse aparelho tem o SIM card e, se quebrar, você compra outro, troca o SIM card e pronto;

4)    Se o turista ou estudante for ficar por poucos dias, a opção é trazer seu celular, fazer o download de aplicativos como o LINE e o Whatsapp. Através dos dois é possível manter contato com a família por mensagem de texto;

5)    Para quem pretende ficar por longo período nos Estados Unidos, trazer o aparelho de celular desbloqueado também pode ser uma boa opção. Dependendo do aparelho, é possível comprar o SIM card, paga-se uma taxa de instalação, e a mensalidade é algo em torno de $50 (depende da operadora escolhida). Esse preço inclui ligações, mensagem de texto e internet.

6)    Na opção pré-pago, o cliente compra o pacote, que geralmente inclui o aparelho celular e um mês de ligações, mensagem de texto e internet. Após isso, o cliente compra um cartão (preços variados) e inclui os créditos através de um código. Algumas operadoras oferecem a comodidade de fazer tudo por telefone. O cliente liga para a operadora e põe créditos usando cartão de crédito do banco onde se tem a conta corrente. A maioria dos pacotes inclui mensagem de texto, internet e ligações ilimitadas. Mas cuidado, leia o manual com atenção, os mais baratos oferecem apenas minutos de ligações e às vezes a qualidade da internet é tão baixa que acaba sendo apenas uma dor de cabeça. Ligar dos Estados Unidos para o Brasil tem taxa extra. Consulte sua operadora antes de comprar o pacote.

7)    Outra opção para ligar para o Brasil é adquiri pacotes de minutos através de companhias de ligações internacionais. Por exemplo: você tem seu telefone com a companhia XYZ e paga $50 por mês (ligações dentro dos EUA, mais mensagem e internet), a mesma operadora oferece um pacote separado de $15 por mês para ligações para o Brasil. Você tem a opção de comprar esse pacote de ligações para o Brasil com a XYZ ou comprar pacote de ligações para o Brasil com a companhia ABC que oferece melhor preço por minuto para o Brasil.   A ABC vai te dar um número local nos EUA, e indicar um número local no Brasil que a sua família pode usar para te ligar. A operadora ABC faz a conexão entre vocês. O número de brasileiros nos EUA tem crescido muito por isso muitas companhias oferecem atendimento em português.

8)    A diferença entre o pacote da XYZ e o pacote da ABC é que na primeira o cliente paga a mesma quantia mensalmente, na segunda você só vai pagar quando os minutos acabarem.

9)    Antes de comprar o pacote pergunte se a operadora está oferecendo desconto para segunda e terceira linha.

10)Velocidade da internet – 2G, 3G e 4G. Apesar do 4G ser o mais popular nos EUA, ainda existem aparelhos oferecendo 2G e 3G.

Uma mesma operadora pode oferecer vários pacotes, cada um vem com um aparelho diferente. Quanto mais caro o pacote, melhor o aparelho. Pacotes mais baratos oferecem aparelhos de baixa qualidade. Cotação feita em maio/2014 na Flórida mostra que os preços dos pacotes disponíveis no mercado variam de $15 a $649. A recarga ou mensalidades variam de $15 a $100. Veja  abaixo alguns exemplos das alternativas de telefonia celular nos Estados Unidos para imigrantes:

Opções de preço para pré-pago (*)

Data (maio/2014)

Operadora: Net10
Tecnologia: GSM
Valores dos pacotes no mercado: $100 (4G), $64,88 (4G)
Opções de crédito: $50
 
Operadora:  Walmart Family
Tecnologia:GSM
Valores dos pacotes no mercado: $50 (aparelho simples), $300 (galaxy GS3)
Opções de crédito/mensal: $39.88, segunda linha $24.88
 
Operadora: T-Mobile

Tecnologia: GSM

Valores dos pacotes no mercado: $39.88 (3G), $ 129.88(4G)
Opções de crédito:$10, $30, $50
 
Operadora: MetroPCS
Tecnologia: CDMA
Valores dos pacotes no mercado:$68.88, $78.88, $98.88
Opções de crédito:$40, $50, $60 e $70.

(*) A cotação de preço foi feita em uma loja do Wallmart na Flórida. Essa é a maior loja de varejo dos Estados Unidos. Preços podem variar e sempre há promoções em datas comemorativas e em alguns estados podem existir outras marcas e operadoras locais. A melhor opção é comprar o pacote de uma operadora que funcione em todo o território americano.

 

USAHelp4U
**informação certa já é metade do caminho**
botao menor interno

Entendendo o sistema de ensino na pós-graduação nos Estados Unidos


Os Estados Unidos possuem muitas opções de ensino de alta qualidade. Muita gente entra em contato com a USAHelp4U para saber sobre como fazer uma pós-graduação nos Estados Unidos, por isso estamos disponibilizando algumas informações abaixo. Qualquer dúvida entre em contato com nossa organização pelo e-mail – info@usahelp4u.com.

Edital para o Contest 2019 da Ong USAHelp4U

Edital em Vídeo

 

Dúvidas mais frequentes:

1)      Universidade x Faculdade

Nos EUA tem as universidades e as faculdades. As faculdades eles chamam de college. São instituições que oferecem cursos técnicos de um ano, dois anos e alguns cursos de nível superior, de 4 anos. São mais baratas, mas não vão além da graduação. Para cada curso desses você recebe certificado ou diploma. A variedade para esses cursos de 1 e 2 anos é gigantesca. Às vezes, o estudante que fez o curso de 1 ou 2 anos pode usar algumas das disciplinas e eliminá-las no curso de nível superior.

2)      Universidades

Na Flórida a maior universidade é a University of Florida, em Gainesville. Depois dela vem as seguintes instituições:

Florida Agricultural and Mechanical University (Tallahassee)

Florida Atlantic University (Boca Raton)

Florida Gulf Coast University (Ft. Myers)

Florida International University (Miami)

Florida Polytechnic University (Lakeland)

Florida State University (Tallahassee)

New College of Florida (Sarasota)

University of Central Florida (Orlando)

University of North Florida (Jacksonville)

University of South Florida (Tampa)

University of West Florida (Pensacola)

Essas são universidades públicas. O que isso significa? Que são apenas mais baratas que as outras. Em resumo o aluno precisa pagar em toda e qualquer universidade. Logicamente que existem várias bolsas, financiamento, e maneiras de diminuir os custos do curso. Geralmente através de esporte. Se o aluno for bom, a escola oferece bolsas de valores parciais ou até 100% do valor.  Os custos da educação superior nos EUA é bem alto, por isso alguns pais começam a pagar a faculdade quando os filhos ainda estão na pré-escola.  O dinheiro vai para um fundo educacional e, quando o filho atingir a idade de ir para a faculdade, ele decide qual a instituição e o fundo transfere o dinheiro.

3)      Pós-graduação

Quanto à pós-graduação, o mestrado (2 a 3 anos) ou doutorado (2 a 5 anos) a duração depende do curso que você escolher. Não existe esse negócios de lato-sensu, stricto sensu. Mestrado é mestrado e pronto.

O aluno pega a grade escolar do mestrado, geralmente entre 12 e 14 disciplinas. Cada disciplina vale 3 créditos. Isso quer dizer que você só pega o diploma quando você somar os seus 36 ou 42 créditos.

Você tem a opção de fazer uma disciplina por vez. Isso vai levar muito tempo para você terminar o mestrado, mas a opção é sua. Algumas disciplinas não exigem que você tenha estudado uma determinada disciplina anteriormente, por isso às vezes o aluno pode pular disciplina, ir para as que ele tem mais aptidão deixando as mais difíceis por último. Porém, nem sempre é possível ficar pulando de galho e galho, tudo depende do curso escolhido.

4)      Preço

Quanto ao preço, existem dois grupos: um preço para quem mora na Flórida (residente) e outro para quem vem de fora (de outro estado ou de outro país). Aliás, essa diferença no preço aparentemente acontece em todo os 50 estados americanos, o correto é verificar antes da matrícula.

Por exemplo, na FAU (Florida Atlantic University) para quem é residente na Flórida cada disciplina do mestrado custa $369,82 por crédito (isso significa que a disciplina XYZ do curso de mestrado ABC vai custar 3x369,82) para quem não é residente no estado, a mesma disciplina custará 3x1.024,81. Lembre-se cada disciplina tem 3 créditos, por isso multiplique por três. Veja os preços da FAU no seguinte endereço http://www.fau.edu/controller/student_information/tuition_breakdown.php.

Vale lembrar ainda que é comum o estudante se matricular em 4 disciplinas (que aqui eles chamam de curso) por semestre. Então se o seu mestrado terá 14 disciplinas, eles dizem que você estudou 14 cursos. Engraçado, né?

Cada disciplina (ou curso), pelo menos a maioria delas, os alunos vão até a sala de aula duas vezes por semana. Por exemplo, a disciplina ‘Introdução à Contabilidade’ do Mestrado em Sistema de Informação, tem aulas às segundas e quartas-feiras, a disciplina ‘Gerenciamento de Telecomunicações’ do Mestrado em Sistema de Informação tem aulas às terças e quintas-feiras. Cerca de 90% dos cursos funcionam nessa linha.

5)      Sistema de ensino

O sistema de ensino americano parece complicado, mas com o tempo a pessoa acostuma. Essa diferença no preço era a grande briga/bandeira/desgosto/birra dos estudantes que estão na Flórida desde pequenos, porém não estão legalizados. Apesar de terem vivido praticamente a vida inteira nos EUA eles são imigrantes indocumentados, por isso pagavam o mesmo preço dos estudantes de outros estados e de outros países. A briga durou dez anos.

Em maio/2014 foi aprovada no estado da Flórida uma lei que oferece a esses estudantes a mesma oportunidade de quem nasceu nos EUA. Ou seja vão pagar bem menos por seus estudos. Outros estados americanos já fizeram o mesmo e aprovaram leis semelhantes.

6)      Acomodação

Quando à acomodação, nem toda universidade oferece. Somente as grandes tem prédios, tipo república onde os estudante podem alugar um quarto ou uma vaga. Os preços variam enormente, depende do prédio, se o apartamento é para duas, três, quatro pessoas, etc etc...

Eu peguei a FAU (Florida Atlantic University), pública, como exemplo, de novo. Essa universidade tem sete campi, mas oferece moradia somente 2 campi. No site da universidade (http://www.fau.edu/housing/Housing_Rates/new2014-2015%20rate%20sheet.pdf) eles mostram as opções de residência e os preços para o próximo semestre. Vale lembrar que o semestre americano é o seguinte, começa no meio de agosto e vai até dezembro, e depois começo de janeiro até primeira semana de maio.

Mesmo se o seu curso for em um campus onde não há residência, mas a universidade oferece residência em outro campus, você pode entrar com pedido de moradia. Geralmente tem mais gente do que quarto para alugar, por isso é preciso fazer a inscrição, pagar as taxas etc etc etc..com antecedência. Por isso, a procura por quartos para alugar em áreas ao redor das universidades é grande também. O preço nesse caso varia depende da localidade, em Miami um quarto privado com banheiro pode custar até $1500/mês, em Fort Lauderdale, uns 40 minutos de Miami, o mesmo quarto custa uns $600.

7)      Dicas

A dica para quem vem de outro país para estudar nos EUA é a seguinte: primeiro tem certeza de qual o curso de mestrado ou doutorado você pretende fazer; segundo procure todas as universidades no país que ofereçam aquele bendito curso; terceiro avalie o que cada universidade oferece - tem várias opções de bolsas, cada universidade oferece as informações no seu website, avalie moradia, se a cidade é cara, se o transporte público funciona ou você vai precisar comprar carro, avalie se a universidade oferece vagas de trabalho para estudante estrangeiros (muitas oferecem e vc ganha um dinheirinho com isso); por último planeje tudo com no mínimo um ano de antecedência.

Cada universidade tem as suas datas para os alunos internacionais. Não é uma questão apenas de ter a documentação certa, precisa estar no tempo certo. Por exemplo, as aulas começam em agosto, não adianta chegar em junho com a papelada em mãos.

Entre em contato com o departamento de International Students da universidade que você escolheu e questione os prazos e opções de bolsas. A maioria das universidades, tipo 99%, vão exigir toda a documentação traduzida, pagamento de alguma coisa adiantado, e o teste de inglês. A maioria oferece aulas de inglês para alunos estrangeiros e podem até exigir que eles frequentem algumas aulas de inglês antes de começar as disciplinas/cursos do Mestrado, Doutorado ou graduação.

Estudar nos EUA não é impossível, mas exige muito planejamento e pesquisa. Boa Sorte. Se ainda tiver alguma dúvida, por favor entre em contato.

 
USAHelp4U
**informação certa já é metade do caminho**
 botao menor interno