Governo Americano Estuda Aumentar as Taxas para visto F-1

Governo americano estuda aumentar as taxas para estudantes internacionais

Taxas estão estagnadas desde 2008, mas novos valores ainda não estão em vigor

 

O governo americano estuda a possibilidade de aumentar as taxas para obtenção do visto de estudante F-1. Ainda não há data para que o valor entre em vigor e nem há certeza dos novos preços. A nova taxa deve ajudar a suprir as necessidades administrativas do Student and Exchange Visitor Information System (SEVP), órgão federal responsável pelo controle das escolas credenciadas e pela administração de dados dos estudantes estrangeiros.

As taxas estavam congeladas desde 2008. O SEVP é mantido somente com as taxas impostas `as escolas e estudantes internacionais. Segundo o governo, há uma defasagem de pessoal e uma necessidade de investir na investigação de fraudes cometidas por escolas.

A nova medida ainda não está em vigor, e o governo abriu espaço em seu website para que o público comente sobre o assunto. A data limite para recebimento de críticas e sugestões encerra-se no dia 17 de setembro. Os interessados devem procurar o website https://www.regulations.gov/ para obter informações de como enviar sugestões para o governo. Comentários devem ser enviados com o número da proposta – Docket No. ICEB-2017-0003.

Para tanto, o leitor precisa apenas inserir o número de Docket acima no campo de busca. Uma segunda tela irá aparecer com o texto sobre o documento emitido pelo Immigration and Customer Enforcemente Bureau (ICEB). Na parte direita inferior, clique em ‘’comment now” e deixe deu recado.

Novos valores

A proposta solicita que as escolas passem a pagar $3 mil dólares para sua certificação, o valor anterior era de $1700 dólares.  A novidade é uma nova taxa para as escolas que precisam ser recertificadas, agora elas teriam que pagar pelo processo, o valor estudado é de $1250 dólares, em caso de apelação de processos negados, a escola teria que pagar $675 pelo formulário I290B.

O preço da inspeção da escola continua o mesmo, $655 dólares.

Os formulários I-901 para vistos F e M, usados por estudantes estrangeiros, passaria de $200 para $350 dólares. Enquanto isso, o mesmo formulário I-901 para vistos J, passaria de $180 para $220.

A taxa de $35 para o formulário I-901 para o visto J usado por au pairs, camp counselors e trabalho de verão será mantida.

 

Oportunidade

A possibilidade de deixar comentários, sugestões e críticas é uma ótima oportunidade para os estudantes e futuros estudantes estrangeiros solicitarem do governo mais oportunidades para os estudantes estrangeiros. Os portadores do visto F1 só podem trabalhar durante as férias e no campus da universidade. A outra opção é solicitar um OPT (Optional Practical Training) quando terminarem o curso superior.

Os alunos em curso de inglês, com o visto F1, não tem autorização para exercer atividade remunerada nos EUA. “Se o estudante pudesse trabalhar pelo menos 20h por semana seria um atrativo muito grande para que a gente viesse para os EUA.  Ajudaria no orçamento e a praticar a língua no dia a dia”, disse a estudante Marcela Monteiro, do Pernambuco.

 

Números

Nem mesmo a crise brasileira tem afastado os estudantes de conquistar o tão sonhado diploma em uma Universidade Americana. De acordo com o relatório anual do Student and Exchange Visitor Information System (SEVIS) o número de estudantes internacionais vindos da América do Sul cresceu 4,3% entre Março de 2017 e Março de 2018, e quem mais enviou estudantes foi o Brasil. O número de estudantes brasileiros cresceu 13,1%.

A América do Sul ganhou da Austrália – 3,3% de aumento e África, 1,4%. As outras regiões, Europa, América do Norte e Ásia tiveram números negativos, -1,1%, -1,7% e -0.8% no período da pesquisa.

O único país da América do Sul que registrou diminuição no número de estudantes enviados aos Estados Unidos foi a Venezuela, com 8,7% a menos.

No total geral o número de estudantes com visto F1 entre Março de 2017 e Março 2018 caiu apenas meio por cento, passando de 1,208 milhão de estudantes para 1,201 milhão em Março 2018. Já o número de estudantes para o visto J1 aumentou mais de 4 por centro, subindo de 201,4 mil para 209,5 mil.

 

info@usahelp4u.com

 

 

 

 

 

Resultado Contest 2018

O Contest 2018 atraiu dezenas de pessoas o que demonstra que a ONG escolheu o caminho correto, oferecer uma oportunidade a quem realmente necessita. Neste caso, bolsa de estudos de inglês nos Estados Unidos.

 

Entretanto, grande foi o número de pessoas que tiveram sua candidatura recusada. Os motivos mais comuns foram:

  • Não enviaram o formulário preenchido corretamente, faltando informações necessárias ou sem o Disclaimer;
  • Não escolheram a bolsa que desejavam concorrer;
  • Não enviaram o formulário, simplesmente enviaram só a resposta;
  • Enviaram o formulário em anexo. O edital era claro, somente formulários no corpo do e-mail eram aceitos;
  • Não estavam inscritos nas redes sociais da ONG de acordo com o que foi assinalado na ficha de inscrição.

 

De acordo com o edital

Última etapa: Os interessados em continuar na disputa pelo prêmio oferecido pela escola escolhida no formulário de inscrição devem:

Gravar um vídeo em Português e enviar até o dia 21 de julho de 2018 para a ONG USAHelp4U pelo e-mail muraldobrasileiro@gmail.com. O vídeo deve ter no mínimo um minuto e no máximo cinco minutos. Este vídeo não pode ser publicado em mídia sociais como Facebook e Youtube antes de ser enviado para a ONG. Uma vez enviado, o vídeo não poderá ser substituído por outra versão.

A USAHelp4U divulgará os vídeos dos dois primeiros colocados em seu site e em suas redes sociais para votação dos conselheiros. Os finalistas de cada escola patrocinadora serão informados com antecedência sobre início do período de votação.

O período de votação pública será das 17h ET do dia 23 de julho 2018 até às 23:59 ET do dia 27 de julho de 2018. (Horários vigentes na Flórida).

Somente os conselheiros poderão votar na escolha do vencedor. Eles enviarão o voto por e-mail para a direção do USAHelp4U. Familiares e amigos dos concorrentes podem fazer comentários no vídeo de seu candidato na tentativa construtiva de chamar a atenção dos conselheiros para o(s) mérito(s) do concorrente.

Qualquer comentário ofensivo, de caráter xenofóbico, preconceituoso e/ou vulgar será excluído. Caso algum participante proferir comentários ofensivos, de caráter xenofóbico, preconceituoso e/ou vulgar no vídeo de outro concorrente, o mesmo será excluído da disputa.

Será considerado vencedor apenas o vídeo do participante (um vídeo por escola) que tiver a maioria dos votos dos conselheiros às 11:59 pm ET do dia 27 de julho de 2018.

O vencedor

O vencedor deve apresentar provas de intenção de viagem, como obtenção do visto de viagem junto às autoridades competentes e aquisição de passagem aérea, no máximo até o dia 27 de janeiro de 2019.  Caso contrário, o vencedor cede automaticamente o prêmio para o segundo colocado no dia 28 de janeiro de 2019. A participação no concurso, por si só, autoriza a coordenação do concurso a adotar tais medidas.

Os vencedores têm até o dia 27 de julho de 2019 para usufruir do prêmio. A bolsa expira no dia 27 de julho de 2019.

DAS DESPESAS DO VENCEDOR

É de única e exclusiva responsabilidade do vencedor do concurso quaisquer outras despesas tais como: translado até a cidade cede da escola patrocinadora da bolsa e seu retorno à cidade de origem, material didático do curso, transporte público durante sua estadia na Flórida, alimentação, acomodação e custos do visto (se necessário).

Resultado Desta etapa

Segue abaixo os 10 melhores concorrentes para cada bolsa de estudos, na ordem escolhida pela diretoria de cada escola patrocinadora. Os dois primeiros colocados devem enviar seus vídeos de acordo com as especificações acima, caso não haja interesse ou não cumpra com as regras estabelecidas pelo edital o próximo da lista será chamado e assim sucessivamente.

 

Qualquer dúvida, por favor enviar e-mail para info@usahelp4u.com.

 

South Beach Languages

 

Lingua Language Center

Cresce Número de Estudantes Brasileiros nos Estados Unidos

Entre os países da América do Sul, Brasil teve o maior crescimento 13,1 %, em segundo vem a Argentina com 6,7%

 

Nem mesmo a crise brasileira tem afastado os estudantes de conquistar o tão sonhado diploma em uma Universidade Americana. De acordo com o relatório anual do Student and Exchange Visitor Information System (SEVIS) o número de estudantes internacionais vindos da América do Sul cresceu 4,3% entre Março de 2017 e Março de 2018, e quem mais enviou estudantes foi o Brasil. O número de estudantes brasileiros cresceu 13,1%.

A América do Sul ganhou da Austrália – 3,3% de aumento e África, 1,4%. As outras regiões, Europa, América do Norte e Ásia tiveram números negativos, -1,1%, -1,7% e -0.8% no período da pesquisa.

O único país da América do Sul que registrou diminuição no número de estudantes enviados aos Estados Unidos foi a Venezuela, com 8,7% a menos.

No total geral o número de estudantes com visto F1 entre Março de 2017 e Março 2018 caiu apenas meio por cento, passando de 1,208 milhão de estudantes para 1,201 milhão em Março 2018. Já o número de estudantes para o visto J1 aumentou mais de 4 por centro, subindo de 201,4 mil para 209,5 mil.

 

Dentro dos Estados Unidos

O relatório mostra ainda as estatísticas dentro dos Estados Unidos, para onde esses alunos vão e quais as universidades mais procuradas. O país tinha em 5 de Março de 2018, 8.744 escolas registradas e aptas a receberem estudantes estrangeiros. Destas 8,7 mil escolas, 85% estão aptas a registrar alunos para visto F1, 8% para vistos F1 e M1, e apenas 7% para visto M1.

Dentro dos Estados Unidos, a região Sul – onde inclui a Flórida – recebeu cerca de 27,3% dos estudantes estrangeiros entre Março de 2017 e Março de 2018. Perdendo apenas para a região Nordeste, onde está o estado de New York, 27,4% de aumento. O oeste americano ficou em terceiro lugar com 24,5%. O Centro Oeste com 20.3%

Os 16 estados da região Sul dos Estados Unidos e o distrito de Columbia (onde está localizada a capital dos EUA) receberam, entre Março de 2017 e Março de 2018, 328,7 mil alunos estrangeiros. Esses alunos vieram de 229 países.

Em todo os Estados Unidos, a Flórida é o terceiro estado com mais escolas cadastradas para oferecer o I-20, documento que permite ao estudante dar entrada no visto de estudante, tanto o F1 quanto o M1. Ao todo são 547 escolas, em primeiro lugar está o estado da Califórnia, com 1173 escolas, e em segundo lugar o estado de New York, com 640.

Veja lista de escolas de idiomas e links para procura de universidades americanas no www.usahelp4u.com.

 

 

Universidades

De acordo com o relatório, as escolas que mais receberam estudantes internacionais nos EUA durante o período pesquisado foram: New York University, Univerisity of Southern California, Columbia University,  Northeastern University, Univeristy of Illinois e Arizona State University.

Nessas universidades, 58% dos alunos estrangeiros conseguiram matricula nos cursos de bacharelado de 4 anos e mestrados. A grande procura estava nas áreas como negócios, engenharia e ciência da computação.

 

Tipos de vistos

O visto F1 é usado por estrangeiros que querem estudar nos EUA, seja cursos de inglês, bacharelado, mestrado e doutorado. Aqueles que procuram cursos de curta duração, como os cursos técnicos, podem solicitar o visto M1.  Já o visto J1 é usado para intercâmbio cultural, como aupair.

Os dois primeiros vistos são regulados pelo Student and Exchange Visitor Program (SEVP). O último visto é regulamento diretamente pelo governo federal.  Os dois departamentos mantêm troca de informações que permite o Deparment of Homeland Security (DHS) ter dados de todos os alunos internacionais e suas condições migratórias.

 

Veja relatório oficial do SEVIS

https://www.ice.gov/doclib/sevis/pdf/byTheNumbersApr2018.pdf

Pernambucana Ganha Bolsa de Estudos na Flórida

Concurso é oferecido anualmente pela ONG USAHelp4U com apoio da Lingua Language Center – FLL

 

 

Da redação

A enfermeira pernambucana Marcella Monteiro Corrêa Lima, de 34 anos, foi a grande vencedora do Contest 2017. Este é o terceiro ano que a ONG USAHelp4U com apoio da escola Lingua Language Center, em Fort Lauderdale (Estados Unidos), realizam o concurso oferecido somente para brasileiros residentes no Brasil.

Mais de 100 pessoas participaram do concurso este ano que oferece uma bolsa de estudos de inglês de um mês na Flórida. Todos os participantes do concurso vão ganhar cupons de desconto para cursos de inglês na escola de idiomas em Fort Lauderdale. Cupons não usados ficam à disposição do público.

 

Marcella estava, originalmente, na oitava posição. Entretanto, cinco dos primeiros colocados não seguiram as regras do concurso contida no edital e por isso foram desclassificados.

Para participar, como todos os anos, basta responder uma pergunta. Este ano, os participantes tiveram que responder “Como a língua inglesa poderia ajudá-lo a conseguir uma melhor oportunidade de trabalho?’’.

 

Para Marcella, a resposta é bem simples – ‘’ É uma língua fundamental para qualquer carreira profissional”, enfatiza a enfermeira que sonha em um dia poder cursar pós-graduação nos EUA. 

 

Os três candidatos finalistas para a bolsa de intercâmbio tinham que apresentar um vídeo. “Desenvolver o vídeo foi difícil pois sou tímida e nunca tinha feito algo dessa natureza antes. Mas em nome desse sonho eu dei o melhor de mim e tentei passar a verdade para as pessoas. Quem me conhece há mais tempo sabe dessa minha paixão pelo inglês e acho que isso ficou transparente no vídeo”, conta.  

 

Apenas os 13 conselheiros voluntários da ONG podem votar. Marcella ganhou a maioria dos votos, sete. Ela tem até o dia 3 de abril de 2018 para apresentar provas de que tem intenção de viagem (como visto e passagem). Caso isso não aconteça, a bolsa de estudos (que inclui acomodação e alimentação) passa para o próximo candidato.

 

Estão em segundo e terceiro lugar, respectivamente – Ligia Silva (SP) e Charles Pereira (SC).

 

A bolsa é válida para o mês de julho de 2018. Marcella tem grandes expectativas para sua viagem. “Não estou matriculada em nenhum curso de inglês no momento, mas estou em contato com o inglês diariamente, seja através de músicas, filmes ou artigos. Passar um tempo fora do Brasil sempre foi um sonho de vida e tendo a oportunidade de aprimorar o inglês, para mim, é o casamento perfeito. Se não fosse a bolsa oferecida pela USAHelp4U com apoio da Lingua Language Center eu teria pouquíssimas chances de realizar este sonho, por conta dos custos financeiros nesse momento’’, finaliza. 

 

ONG

USHelp4U é uma organização não governamental no estado da Flórida (USA) dedicada a oferecer suporte e informação adequada aos estudantes brasileiros interessados em investir no aprendizado da língua inglesa e profissional nos Estados Unidos. Outras informações sobre a ONG pelo website www.usahelp4u.com e ou e-mail info@usahelp4u.com.

Governo estuda fazer mudanças no visto F-1

Propostas por enquanto são apenas ideias que podem levar até 18 meses para entrar em vigor

 

Da redação com Washington Post e G1

 

 

O Departamento de Segurança Nacional (Department of Homeland Security – DHS) está estudando possíveis mudanças no Student and Exchange Visitor Program, ou visto F-1 (o visto de estudante). Por enquanto, trata-se apenas de estudos e nada concreto deve ser divulgado ainda este ano, já que possíveis mudanças precisam de no mínimo 18 meses para serem planejadas, aprovadas para só então entrar em vigor.

Segundo oficiais do DHS, o objetivo é aumentar a segurança do país e evitar os abusos ocorridos com o visto F-1.  Pelo menos 2.8% dos mais de 1.4 milhões de estudantes estrangeiros nos Estados Unidos no ano passado ficaram além do tempo permitido no país, o dobro de quem entra nos EUA com visto de turista. Atualmente, 5% dos quase 20 milhões de estudantes matriculados em faculdades e universidades americanas são estrangeiros.

Os países que mais enviam estudantes para os EUA são: China, Índia, Coreia do Sul e Arábia Saudita. Entre os estados americanos que mais abrigam esses estudantes estão Califórnia, New York e Texas. As universidades campeãs em número de estudantes estrangeiros são New York University e University of Southern California.

Dados de 2015 do Instituto de Educação Internacional (Institute of International Education – IIE) mostram que o número de universitários brasileiros estudando nos Estados Unidos cresceu 78% entre 2013 e 2014, fazendo com que o Brasil pulasse da 10ª para a 6ª posição no ranking de países que mais enviam intercambistas para os EUA. Segundo o instituto, no ano letivo de 2014-2015 os Estados Unidos registraram 23.675 brasileiros matriculados no ensino superior americano.

Possíveis mudanças

Entre as possíveis mudanças seria a necessidade de renovar o visto anualmente, pagando a taxa de $200. Atualmente, o aluno pode ficar no país indefinidamente enquanto estiver estudando e seguindo as regras das escolas. Ele pode também mudar de escola de idiomas, para faculdade e ou universidade mantendo o visto, sem a necessidade de sair do país. 

Caso as propostas, ainda em fase preliminar de estudo, sigam adiante o estudante internacional poderá ter que passar por todo o processo de solicitação de visto novamente caso decida mudar de instituição.

Mesmo antes das mudanças se concretizarem, representantes de universidades já apontam possíveis dificuldades. Jill Welch, diretor da Associação Internacional de Educadores (Associaton of Internacional Educators – NAFSA) taxou as ideias do DHS de ‘’desnecessárias’’.  ‘’Esperamos que o DHS consulte instituições como a NAFSA antes de tomar qualquer decisão precipitada’’, concluiu.

De acordo com o IIE os estudantes estrangeiros injetaram mais de $35 bilhões na economia americana em 2015.

 

Viabilidade

O porta-voz da Associação Americana de Universidades (Association of American Universities), Pedro Ribeiro, não acredita que o projeto seja viável. ‘’ Essas propostas significam mais papeladas para os estudante e governo. O DHS simplesmente não tem funcionários suficientes para administrar todas essas mudanças”, acredita.

O porta-voz do DHS, David Lapan, não quis fazer comentários sobre as possíveis mudanças, mas confirmou que o visto de estudante ‘’é um dos quais está sobre revisão por parte do governo’’. ‘’O DHS está estudando várias mudanças no sistema de imigração dos EUA, incluindo o visto de estudante. Nosso objetivo é que que o sistema de imigração atenda ao interesse americano, com ênfase na segurança nacional’’, resumiu.

 

 

Com informações do Washington Post 07/10/2017

High School nos Estados Unidos é possível!

Famílias imigrantes devem pesquisar qual o tipo de visto adequado, erro pode causar problemas futuros

Sem dúvida que estudar em uma High School pública (ensino médio) nos EUA é o sonho de muitos jovens brasileiros. O que muitos pais não sabem é que o processo pode não ser tão caro como as agências de turismo mostram. Algumas exigem preços astronômicos e dificultam o planejamento das famílias. A culpa seria os excessos de taxas.

Com um pouco de paciência e alguma pesquisa, os pais podem enviar seus filhos para um ano em uma High School pública americana e economizar cerca de 40% do valor do investimento na educação dos filhos. Só o estado da Flórida tem 509 High Schools públicas e privadas, segundo o Department of Homeland Security, aptas a receberem estudantes estrangeiros.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

 

O valor médio de um semestre letivo nos EUA (seis meses) está entre $12 mil a 14 mil dólares se comprado em agências no Brasil. No condado de Miami Dade, por exemplo, o valor é de $7.600 pelo ano escolar em uma high school pública.  Vale lembrar que preço varia por condado e estado americano. Assim como a documentação exigida para matrícula. Valores não incluem acomodação, visto e alimentação.

Em Miami Dade as inscrições para alunos estrangeiros no ano letivo 2017-2018 já estão abertas. O ano escolar nas escolas públicas tem início em 21 de agosto. O condado é o quarto maior distrito escolar nos Estados Unidos, com 392 escolas públicas e 345 mil estudantes.

 

Feira de Educação mostra todas as possibilidades para brasileiros estudarem nos Estados Unidos

A Feira de Educação foi realizada pela Primeira Igreja Batista da Flórida. no dia 29 de abril. O evento contou com o apoio do Consulado Geral do Brasil em Miami e do Conselho de Cidadãos da Flórida. Diversas universidades estiveram presentes apresentando seus cursos e explicando o processo de ingresso nos cursos de graduação e pós-graduação. Pais e estudantes puderam entender como funciona o processo de matrícula de alunos locais e estrangeiros em escolas públicas e privadas. Outros assuntos abordados foram bolsas de estudos, financiamento estudantil e a importância de manter o Português como língua de herança entre as famílias brasileiras. 

 

no images were found

Cartilha ensina brasileiros a empreender na Flórida

Ter sua própria empresa agora ficou mais fácil, cartilha do consulado oferece todas as dicas

O Consulado Geral do Brasil em Miami disponibilizou uma cartilha explicativa para facilitar a vida de quem se sentia perdido com as regras e leis na Flórida para abrir uma empresa. O guia foi lançado oficialmente no dia 16 de fevereiro em um evento para mais de 200 pessoas no auditório da Primeira Igreja Batista da Flórida – PIB Florida, em Pompano Beach.

 

Além da versão impressa e gratuita da cartilha, os brasileiros também têm acesso ao documento via download direto do site do consulado – http://miami.itamaraty.gov.br/pt-br/como_empreender_na_florida.xml. O guia “Como Empreender na Flórida’’ tem um pouco de tudo, desde como registrar a empresa junto aos órgãos competentes americanos até as diferenças dos costumes locais se comparados com o Brasil.

 

A elaboração do guia teve o apoio do Conselho de Cidadãos da Flórida, Fort Lauderdale Small Business Development Center e do Small Business Administration.

 

Durante o evento, o Cônsul-geral do Brasil em Miami, Embaixador Adalnio Senna Ganem, enalteceu a participação brasileira na área empresarial da Flórida. “A nossa estimativa é que entre os 300 mil brasileiros no Estado, pelo menos 10%, ou seja 30 mil compatriotas estejam engajados em algum tipo de empresa própria’’, citou o embaixador.

 

Carlo Barbieri, representante do Conselho de Cidadãos da Flórida, fez questão de frisar que o brasileiro empreendedor pode utilizar de crédito adquirido junto aos bancos no Brasil, na Flórida. “Ele pode sim conseguir este apoio e procurar os órgãos americanos. Ele vai ser visto como uma pessoa jurídica e não física. Com isso, detalhes legais podem ser irrelevantes. É um guia para todos!’’, explicou.

 

O Guia “Como Empreender na Flórida’’ foi elaborado para servir de caminho para os empreendedores brasileiros e por isso não fornece indicação e ou patrocínio de empresas privadas. “O Guia não indica empresas privadas, indica caminhos. É fundamental chegar aqui com uma trilha, não perder tempo. Você já chega organizado!’’, comentou Barbieri.

 

Como buscar bolsas de estudos nos EUA

A busca por bolsas de estudos pode levar meses e quando a oportunidade surgir, o estudante precisa estar preparado e com documentos em dia. Vale a pena manter uma rotina de busca e continuar os estudos do idioma. Pesquisas mostram que um curso no exterior pode elevar significativamente as chances de empregabilidade do estudante ao retornar para seu país de origem, sem falar a bagagem cultural muito apreciada em empresas multinacionais.

 

Em resumo há três tipos de instituições que oferecem bolsas de estudos a estudantes internacionais nos EUA: as primeiras são as próprias universidades, que oferecem bolsas de mérito ou por necessidade financeira aos alunos aprovados em seu processo seletivo. Veja ranking das melhores universidades americanas no website http://www.topuniversities.com/.

 

As segundas são fundações ou instituições sem fins lucrativos, que apoiam estudantes de determinado país, minoria ou que atuem em determinada área para que eles realizem um período de estudos ou pesquisa no exterior. Veja detalhes no website http://www.internationalstudent.com/study_usa/.

USAHelp4U oferece anualmente uma bolsa de estudos para cursos de inglês na Flórida. As bolsas são destinada apenas para brasileiros residentes no Brasil, maiores de 18 anos.

Por fim, há também as bolsas oferecidas pelos governos, que visam atrair talentos para as suas universidades e incentivar a colaboração entre países. Estas são, em geral, bolsas bastante generosas que cobrem, além da anuidade da instituição, custos de vida no país, seguro saúde e, por vezes, passagens aéreas. No caso do Brasil, o programa seria o Ciência Sem Fronteiras – http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf.

Mineira ganha bolsa de estudos na Flórida

Concurso é oferecido anualmente pela ONG USAHelp4U com apoio da Lingua Language Center – FLL

Da redação

jessika-fotoA estudante de Design de Ambientes, Jéssika Stephanny Guimarães Marques, de 28 anos, foi a vencedora do Contest 2016. Este foi o segundo ano do concurso realizado pela ONG USAHelp4U com patrocínio da escola Lingua Language Center (Broward College), em Fort Lauderdale. A brasileira levou uma bolsa de um mês de curso de inglês, e acomodação pelo mesmo período.

A viagem será feita no mês de julho de 2017. A escolha da vencedora foi feita em três etapas. Inicialmente, os membros do conselho voluntário da ONG escolheram as dez melhores respostas da pergunta-chave do concurso, a segunda etapa ficou por conta da escola que selecionou os três primeiros colocados e três suplentes. Jéssika era a sexta na lista, mas devido a três desistências, ela acabou entre os três primeiros colocados para a última fase.

Os três primeiros concorrentes realizaram um vídeo explicando ao público porque gostariam de ganhar a bolsa. O público votou e o vídeo de Jéssika conseguiu 1,9 mil votos no facebook. “O trabalho de solicitação de votos foi intenso! Passei os 4 dias sem dormir, me dediquei a isso, fui pedindo votos a todos os amigos, familiares e até desconhecidos. Graças a Deus, as pessoas me conhecem, todos abraçaram minha causa e me ajudaram. ’’, lembra a estudante.

 

Jéssika conta que deseja investir no aprendizado de inglês porque gostaria de dar continuidade a carreira acadêmica fazendo um mestrado e desenvolvendo seu projeto de pesquisa na área de neuroarquitetura. “Para isso, preciso passar no teste de proficiência em inglês, que até hoje não consegui passar. Espero poder aproveitar que estarei imersa no país e tentar ao máximo aprender o inglês, pois é uma oportunidade ímpar para mim! ’’, planeja.

 

Mas os planos de viagem vão além da sala de aula. “E se for possível, quero realizar um sonho de infância, quero conhecer a Disney! ”, disse.

 

“Se não fosse a bolsa da ONG com a Lingua Language Center, as chances de custear um intercâmbio deste porte, seriam remotas. Eu teria que trabalhar muito e juntar muito dinheiro. Por isso falo que é uma oportunidade única! E por isso me esforcei ao máximo, não podia perdê-la! ’’, conta Jéssika.

 

Cerca de 100 pessoas participaram do concurso. Todos os participantes do concurso ganharam cupons de desconto para cursos de inglês na escola de idiomas em Fort Lauderdale. Cupons não usados ficam à disposição do público.

 

ONG

USHelp4U é uma organização não governamental no estado da Flórida (USA) dedicada a oferecer suporte e informação adequada aos estudantes brasileiros interessados em investir no aprendizado da língua inglesa e profissional nos Estados Unidos. Outras informações sobre a ONG pelo website www.usahelp4u.com e ou e-mail info@usahelp4u.com.

 

botao menor interno